Cotidiano

Polícia terá operação contra pesca ilegal no feriadão de Corpus Christi em MS

Com foco na prevenção e repressão à pesca predatória em Mato Grosso do Sul, a PMA (Policia Militar Ambiental) dá início às 8h da manhã desta quinta-feira (11) na Operação Corpus Christi. Serão 290 policiais em campo e a ação termina na segunda-feira (15). Conforme a PMA, o efetivo atuará nos rios, em barreiras nas […]

Ana Paula Chuva Publicado em 10/06/2020, às 09h47 - Atualizado às 12h04

(Divulgação | PMA)
(Divulgação | PMA) - (Divulgação | PMA)

Com foco na prevenção e repressão à pesca predatória em Mato Grosso do Sul, a PMA (Policia Militar Ambiental) dá início às 8h da manhã desta quinta-feira (11) na Operação Corpus Christi. Serão 290 policiais em campo e a ação termina na segunda-feira (15).

Conforme a PMA, o efetivo atuará nos rios, em barreiras nas estradas, realizando fiscalização em propriedades rurais, em pontos turísticos e de recreação para combater a prática de crimes e infrações ambientais.

Vale lembrar que o feriadão será de quatro dias, em razão de decretos de pontos facultativos para repartições públicas estaduais e também em vários municípios, exigindo uma fiscalização intensiva, especialmente relativa à pesca predatória.

Ao todo a PMA possui 26 subunidades que estarão cuidando de suas respectivas áreas. Dentro da operação,90 Policiais farão a fiscalização exclusiva das atividades que trabalham com recursos pesqueiros.

Além disso, na sede em Campo Grande equipes itinerantes estarão atuando em todo território do Estado.

Para o monitoramento das áreas de rios onde estão os cardumes a PMA fará o uso de drenes, tecnologia que tem sido fundamental na prevenção e até na repressão à pesca predatória e a outros crimes no Estado.

O uso das imagens dos drones, em alguns casos, permite a identificação dos elementos, mesmo que fujam, por características físicas pessoais e das embarcações utilizadas.

Sendo identificados, os responsáveis pelo crime ambiental de pesca predatória podem responder ao crime com pena de um a três anos de detenção, além de serem multados administrativamente no valor de R$ 700,00 a R$ 100.000,00.

Jornal Midiamax