Cotidiano

Nível negativo: Rio Paraguai atinge menor altura dos últimos 47 anos em MS

O nível do Rio Paraguai compromete navegação e coloca em risco o abastecimento das cidades de Corumbá e Ladário, por exemplo.

Gabriel Maymone Publicado em 01/10/2020, às 10h22 - Atualizado às 11h21

Nível negativo do Rio Paraguai foi constatado pela régua da Marinha, em Ladário. (Imagem: Ilustrativa)
Nível negativo do Rio Paraguai foi constatado pela régua da Marinha, em Ladário. (Imagem: Ilustrativa) - Nível negativo do Rio Paraguai foi constatado pela régua da Marinha, em Ladário. (Imagem: Ilustrativa)

Com uma das piores secas dos últimos anos, o Rio Paraguai atingiu marca negativa nesta quinta-feira (1º), em Ladário, a 435 quilômetros de Campo Grande. Conforme medição feita pelo 6º Distrito Naval, o nível do rio está em -3 centímetros. É a menor altura desde 1973, quando a régua marcou -2 centímetros em 19 de outubro daquele ano.

Assim, é possível visualizar bancos de areia em alguns trechos do rio. Entretanto, não é possível atravessar o rio a pé, por exemplo. Isso porque a régua foi instalada num local de fácil leitura, isso significa que o marco zero não corresponde ao local mais profundo do rio.

O nível abaixo da marca zero pode prejudicar a navegação de grandes embarcações. A Marinha recomenda o uso da carta náutica em vigor e demais auxílios à navegação disponíveis, atentar para o balizamento e manter uma velocidade segura.

Histórico

Veja as marcas históricas mais baixas do Rio Paraguai:

  1. Setembro de 1964: -64 cm
  2. Setembro de 1971: -57 cm
  3. Outubro de 1967: -53cm
  4. Setembro de 1969: -53cm
  5. Outubro de 1910: -48cm

Nível negativo: Rio Paraguai atinge menor altura dos últimos 47 anos em MS

Risco de desabastecimento

Responsável pelo abastecimento das cidades de Ladário e Corumbá, o nível crítico do Rio Paraguai é monitorado pela Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul), que enviou bombas hídricas para a região semana passada.

Então, os equipamentos tem como objetivo bombear a água de partes mais fundas do rio para um poço e o destino final é a estação de tratamento. Assim, a Sanesul explica que as bombas ainda estão sendo instaladas e o trabalho deve ser concluído nesta semana.

Jornal Midiamax