Cotidiano

Morto em academia fazia aulas há um mês e estava preocupado com AVC do pai

O homem de 34 anos que morreu vítima de parada cardiorrespiratória, na noite desta segunda-feira (28), em uma academia no Aero Rancho, havia começado a treinar há um mês e comentou que o pai teve um AVC (Acidente Vascular Cerebral) na semana passada. Conforme apurado pelo Jornal Midiamax, funcionários da academia acreditam que ele tivesse […]

Gabriel Maymone Publicado em 29/09/2020, às 11h21 - Atualizado às 16h49

Médicos do Samu tentaram reanimar aluno, mas sem sucesso. (Foto: Ilustrativa)
Médicos do Samu tentaram reanimar aluno, mas sem sucesso. (Foto: Ilustrativa) - Médicos do Samu tentaram reanimar aluno, mas sem sucesso. (Foto: Ilustrativa)

O homem de 34 anos que morreu vítima de parada cardiorrespiratória, na noite desta segunda-feira (28), em uma academia no Aero Rancho, havia começado a treinar há um mês e comentou que o pai teve um AVC (Acidente Vascular Cerebral) na semana passada.

Conforme apurado pelo Jornal Midiamax, funcionários da academia acreditam que ele tivesse algum problema genético e comentaram que o aluno havia demonstrado preocupação com o assunto ao informar sobre o problema do pai na semana passada.

Ainda segundo as informações obtidas pela reportagem, ele havia começado a treinar na academia no começo deste mês.

Na noite desta segunda-feira, durante o treino, ele teve uma parada cardiorrespiratória e morreu. Funcionários tentaram reanimá-lo, mas sem sucesso. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionado, mas também não conseguiram a reanimação.

A reportagem entrou em contato com a academia, mas ainda não obteve o posicionamento sobre o ocorrido.

Calor agrava

Presidente do Sinmed-MS (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul) e nefrologista, Marcelo Santana Silveira explica que o calor excessivo que bate os 40ºC e a umidade relativa do ar em níveis extremos são fatores agravantes para um mal súbito, mas não são determinantes.

Morto em academia fazia aulas há um mês e estava preocupado com AVC do pai
Dr. Marcelo Silveira dá dicas para praticar exercícios durante calorão. (Foto: Leonardo de França, Midiamax)

“A hipótese é que tenha sido uma fatalidade, ele [aluno] já devia ter alguma cardiopatia. A questão da temperatura pode ter favorecido, o calor é um agravante, porém, se não tivesse uma condição de saúde prévia para infarto, dificilmente a pessoa vai enfartar”, explica.

O médico afirma que são dois fatores que levam a um infarto: arritmia e entupimento de artéria. No primeiro caso, trata-se de uma predisposição genética. Já na segunda hipótese, a questão envolve os hábitos da pessoa como alimentação e sedentarismo.

Exercício físico liberado, mas com cautela

O profissional esclarece que a prática de atividade física é benéfica para o organismo, mas devido às atuais condições climáticas, deve ser feita observando alguns cuidados.

“Tem que evitar praticar atividade física nos horários de maior calor, entre às 10h e 16h. As pessoas que querem fazer exercício devem esperar baixar o sol, quando a incidência da radiação solar está mais baixa e quando o calor está um pouco menor”, explicou o médico.

Ele lembra ainda que é importante ingerir 500 ml de água antes de praticar os exercícios “e ir tomando em torno de 150ml a cada 30 minutos para ir repondo”, lembrou.

Morto em academia fazia aulas há um mês e estava preocupado com AVC do pai
Médico orienta tomar água antes e durante prática de atividade física. (Foto: Ilustrativa)

Como prevenir mal súbitos

Por fim, Marcelo explica que um mal súbito como o ocorrido com o aluno da academia normalmente acontece com quem tem predisposição para isso. “Se não tivesse uma condição de saúde prévia para infarto, dificilmente a pessoa vai enfartar”, esclareceu.

Porém, a desidratação pode ocasionar outros diversos problemas. Veja como evita-los:

Jornal Midiamax