Cotidiano

Letalidade do novo coronavírus saltou de 0,9 pra 1,8 em três meses em MS

Nos últimos três meses de pandemia, a taxa de letalidade do coronavírus dobrou em Mato Grosso do Sul. A taxa, que estava em 0,9% em junho, passou para 1,8% em setembro. O cenário da pandemia em MS também mudou muito nos últimos meses e o estado já soma quase mil mortes causadas pela Covid-19. A […]

Mylena Rocha Publicado em 09/09/2020, às 15h00 - Atualizado em 10/09/2020, às 09h34

(Marcos Ermínio, Midiamax)
(Marcos Ermínio, Midiamax) - (Marcos Ermínio, Midiamax)

Nos últimos três meses de pandemia, a taxa de letalidade do coronavírus dobrou em Mato Grosso do Sul. A taxa, que estava em 0,9% em junho, passou para 1,8% em setembro. O cenário da pandemia em MS também mudou muito nos últimos meses e o estado já soma quase mil mortes causadas pela Covid-19.

A reportagem analisou os dados do coronavírus registrados no boletim epidemiológico estadual do dia 8 de junho e da terça-feira (8). Nos três meses, a mudança foi expressiva: enquanto havia 22 mortos pela Covid-19 em junho, em setembro o número chega a 987 mortos.

Atualmente, a cidade com mais mortes registradas pelo coronavírus é Campo Grande, com 405 mortos e uma taxa de letalidade de 1,7%. Em segundo lugar, Corumbá tem 106 mortes e taxa de letalidade de 3,5%. Em terceiro, Dourados tem 83 mortes e taxa de 1,4%.

Há cidades em Mato Grosso do Sul com uma taxa de letalidade maior do que a estadual, como é o caso de Alcinópolis (16,7%), Bodoquena (7,1%), Inocência (4,5%), Vicentina (4,5%), Angélica (4,3%), entre outros municípios.

É importante entender que a taxa de letalidade é um parâmetro usado para medir a gravidade do coronavírus. A taxa representa a porcentagem de pacientes infectados que morreram. Ou seja, a letalidade mede a chance de uma pessoa morrer em consequência da Covid-19. 

Taxa de letalidade não é a mesma coisa que a taxa de mortalidade. O índice de mortalidade mede a chance de uma pessoa sem a doença se infectar e depois morrer.

Jornal Midiamax