Cotidiano

Em um mês de piracema, PMA aplica R$ 25,4 mil e apreende 154 kg de pescado

O período reprodutivo dos peixes, também conhecido como “piracema”, completou um mês no sábado (5). Balanço divulgado pela PMA (Polícia Militar Ambiental) aponta que nove pessoas foram presas e autuadas por pesca predatória. Esse é o mesmo número registrado na operação anterior, entre 2019 e 2020. Até o momento, foram aplicadas multas que totalizam R$ […]

Adriel Mattos Publicado em 06/12/2020, às 17h20 - Atualizado às 17h21

Foto: Divulgação, PMA
Foto: Divulgação, PMA - Foto: Divulgação, PMA

O período reprodutivo dos peixes, também conhecido como “piracema”, completou um mês no sábado (5). Balanço divulgado pela PMA (Polícia Militar Ambiental) aponta que nove pessoas foram presas e autuadas por pesca predatória.

Esse é o mesmo número registrado na operação anterior, entre 2019 e 2020. Até o momento, foram aplicadas multas que totalizam R$ 25,4 mil. Isso representa 25,97% autuações a mais se comparado com o mesmo período do ano passado.

Foram apreendidos 154 kg de pescado irregular. Um estabelecimento comercial foi autuado por falta de declaração de estoque, o que não é crime, mas teve 18 kg de pescado apreendidos, capturado antes da piracema.

Com relação aos petrechos ilegais, somente a quantidade de redes de pesca foi bem menor do que a operação passada. A apreensão de anzóis de galho, por exemplo, diminui 21,42%, passando de 182 em 2019 para 143 neste ano.

A orientação do comando da PMA nesta operação continua sendo a de encaminhar os autuados às delegacias para serem presos em flagrante, embora estes saiam após pagarem fiança. No entanto, isso serve para demonstrar ao autuado de que ele está cometendo um crime passível de cadeia. Além do mais, em caso de reincidência não há fiança.

Jornal Midiamax