Cotidiano

Por falta de acordo, eletricitários de terceirizada da Energisa entram em greve em MS

Os eletricitários de uma empresa terceirizada da Energisa entraram em greve por tempo indeterminado em Mato Grosso do Sul. A paralisação de atividades é feita por trabalhadores da empresa Energy, nos municípios de Naviraí e Ponta Porã. Segundo a categoria, a empresa teria tido descaso nas negociações do acordo coletivo de trabalho 2020/2021. O Sinergia-MS […]

Mylena Rocha Publicado em 30/11/2020, às 09h23 - Atualizado às 13h48

Foto: Divulgação/Sinergia-MS
Foto: Divulgação/Sinergia-MS - Foto: Divulgação/Sinergia-MS

Os eletricitários de uma empresa terceirizada da Energisa entraram em greve por tempo indeterminado em Mato Grosso do Sul. A paralisação de atividades é feita por trabalhadores da empresa Energy, nos municípios de Naviraí e Ponta Porã. Segundo a categoria, a empresa teria tido descaso nas negociações do acordo coletivo de trabalho 2020/2021.

O Sinergia-MS (Sindicato dos Trabalhadores na Indústria e Comércio de Energia no Estado de Mato Grosso do Sul) alega que a categoria já havia aprovado um indicativo de greve para o dia 16 de novembro porque a empresa se recusava a atender as reivindicações dos trabalhadores e a debater o acordo. Contudo, antes do início da paralisação, a Energy demonstrou interesse em negociar e apresentou uma proposta.

“No dia anterior ao início da greve, a empresa apresentou avanços no acordo, com uma proposta de produtividade e pagamento retroativo a julho. Realizamos então uma assembleia com a categoria, que indicou a necessidade de inclusão de algumas reivindicações e elaborou uma contraproposta que foi apresentada à Energy”, explica a diretora do Sinergia-MS, Aliceia Araújo.

Com as negociações em andamento, os trabalhadores cancelaram a greve e aguardaram a resposta da empresa sobre a contraproposta, que foi enviada ao sindicato na última terça-feira (24). “Como resposta, a Energy trouxe retrocessos em relação à proposta inicial, tirou cláusulas referentes a reivindicações que já haviam sido atendidas e fez alterações que dificultam o recebimento da produtividade. Diante dessa situação, a categoria não teve alternativa e decretou a greve”, explica.

Ainda segundo informações do Sinergia-MS, os eletricitários pedem tíquete refeição de R$ 23,50 por dia trabalhado, pagamento de sobreaviso, hora extra, produtividade e hospedagem de viagem, com repasse dos valores retroativos a julho. São cerca de 120 trabalhadores que atuam nas cidades da região sul do Estado como Ponta Porã, Aral Moreira, Amambai, Antônio João, Naviraí, Sete Quedas e Paranhos. A empresa presta serviços na área de construção e manutenção de rede elétrica e serviços técnicos comerciais.

Em nota, a Energisa afirma que a paralisação não compromete o atendimento realizado aos clientes pela concessionária, pois já articulou seu plano de contingência para continuidade dos serviços com equipe própria. A Energisa explica ainda que por se tratar de uma empresa terceirizada, as negociações de Acordo Coletivo de Trabalho acontecem de forma independente.

Jornal Midiamax