Cotidiano

Com menos visitantes, ambulantes têm queda de até 40% nas vendas nos cemitérios

Com a pandemia de coronavírus, já havia uma expectativa de que o número de visitantes nos cemitérios seria menor neste ano em Campo Grande. Para quem aproveita a data para garantir uma renda extra, a queda nas vendas já é perceptível. Vendedores de flores e de alimentos que ficam em frente aos cemitérios relatam uma […]

Mylena Rocha Publicado em 02/11/2020, às 11h20 - Atualizado às 11h45

None
Foto: Leonardo de França/Midiamax

Com a pandemia de coronavírus, já havia uma expectativa de que o número de visitantes nos cemitérios seria menor neste ano em Campo Grande. Para quem aproveita a data para garantir uma renda extra, a queda nas vendas já é perceptível. Vendedores de flores e de alimentos que ficam em frente aos cemitérios relatam uma queda de até 40% nas vendas. 

A comerciante Jussimeire Silva, de 50 anos, conta que as vendas caem a cada ano. Ela trabalha com venda de flores há 26 anos e afirma que a queda nas vendas varia de 30% a 40%. “Antigamente eu tinha duas bancas, ia embora com ela vazia. Hoje em dia sobra produto, volto para casa com algumas flores”, explica.

Com menos visitantes, ambulantes têm queda de até 40% nas vendas nos cemitérios
Vendedores de flores percebem quedas nas vendas. (Foto: Leonardo de França/Midiamax)

Ayrton Carlos, de 29 anos, vende pastéis em frente ao cemitério Cruzeiro nesta segunda-feira (1) e conta que percebeu uma mudança no comportamento dos visitantes, por causa da pandemia. “Foi totalmente diferente. Para não tumultuar, as pessoas vieram antes do feriado”, disse. Ele também percebeu uma queda de 40% nas vendas, mas diz que já era esperado, por conta da pandemia. 

Wellison Eduardo, de 29 anos, vende flores no cemitério Cruzeiro há quatro anos. Ele fala que os outros anos eram mais movimentados e que, mesmo estando próximo à entrada do cemitério, não conseguiu vender bem. “Ano passado eu tinha um ponto mais distante da entrada e, mesmo estando mais longe, vendi mais”, diz. 

Hudson Ovando, de 56 anos, trabalha no dia de Finados há quase duas décadas. Ele também percebeu uma queda nas vendas devido à pandemia. “Temos que encarar de frente e esperar a pandemia passar”. 

Ele vende flores de R$ 5 a R$ 25 e coroas de flores por R$ 15. “Eu trouxe 32 coroas, mas já vendi todas. Eu até esperava que estaria mais fraco”.

Queda no movimento nos cemitérios

Administrador dos cemitérios públicos, o servidor Marcelo Barbosa explica que neste ano a movimentação foi menor em comparação com os outros anos. A estimativa é de que entre sábado (31) e domingo (1), a média de visitantes foi de 25 mil pessoas nos três cemitérios públicos da Capital. “A nossa expectativa para hoje é de 20 mil visitantes”.

Barbosa comenta que o número de visitas no feriado vem regredindo a cada ano. “Quem frequenta são pessoas de outras gerações, com mais idade”.

Jornal Midiamax