Cotidiano

Com casa em risco de ser ‘engolida’, moradora diz que cratera é tragédia anunciada em MS

Problema antigos dos moradores dos bairros Argemiro Ortega e Cristo Rei em Nova Andradina, a 300 km de Campo Grande, a erosão que abriu cratera na Rua Espírito Santo, no cruzamento com a Antônio Duarte, agora ameaça ‘engolir’ uma residência. A moradora do local disse que a cratera era uma tragédia anunciada e que pode […]

Mariane Chianezi Publicado em 07/12/2020, às 18h12 - Atualizado às 18h58

Cratera já era problema antigo dos moradores e agora está prestes a 'engolir' casa | Foto: Divulgação
Cratera já era problema antigo dos moradores e agora está prestes a 'engolir' casa | Foto: Divulgação - Cratera já era problema antigo dos moradores e agora está prestes a 'engolir' casa | Foto: Divulgação

Problema antigos dos moradores dos bairros Argemiro Ortega e Cristo Rei em Nova Andradina, a 300 km de Campo Grande, a erosão que abriu cratera na RuaEspírito Santo, no cruzamento com a Antônio Duarte, agora ameaça ‘engolir’ uma residência. A moradora do local disse que a cratera era uma tragédia anunciada e que pode diversas vezes as autoridades da cidade foram acionadas.

Preferindo não se identificar, a moradora disse ao Jornal Midiamax que a casa estava alugada e o inquilino precisou se mudar às pressas, porém, o problema não é recente. “Há anos nós estamos indo na prefeitura, conversando com as autoridades da cidade, e nos falaram que iam nos ajudar para que a erosão não chegasse até a nossa casa, que não era para nos preocupar. Mas não fizeram nada e aconteceu isso, minha casa está caindo”, disse.

Após muitas reclamações, a moradora contou que há cerca de 20 dias começaram a trabalhar na erosão, mas ela questiona o fato de terem esperado justamente a época de chuva para começarem a realizar manutenção no lugar.

Ela afirma que até então, não tem nenhuma resposta das autoridades da cidade desde que o fato aconteceu, na última sexta-feira (4). A mulher relata que quando o incidente aconteceu, chegou a ir ao local e presenciou parte da terra cedendo durante a chuva.

“Eu entrei em desespero. Me falaram que uma força-tarefa iria ao local no sábado para fazer alguma coisa, mas eu fui lá e tinha apenas uns funcionários da Sanesul. Pedi que colocasse uma pessoa para vigiar, porque tem muitas crianças e pessoas indo ver, mas também não vi ninguém. Parece que não estão ligando”, afirmou.

A reportagem entrou em contato com o prefeito da cidade, Gilberto Garcia, e foi dito que a Defesa Civil Estadual foi acionada e que nesta terça-feira (8) iriam ao local avaliar a situação. “Pedimos ajuda à Defesa Civil Estadual e amanhã farão visita no local. Juntos buscaremos solução”, disse.

*matéria atualizada às 19h para acréscimo de informação

Jornal Midiamax