Cotidiano

Avião soviético raro que opera em situações críticas pousará em Campo Grande

No próximo domingo (12), o Aeroporto Internacional de Campo Grande receberá um avião um tanto quanto especial. Raro, o Antonov An-74 pousará por volta das 17h40 e ficará cerca de duas horas. Depois, segue para Natal antes de voar para a Ilha do Sal, em Cabo Verde, na África. A última vez que um avião […]

Gabriel Maymone Publicado em 09/07/2020, às 13h50 - Atualizado em 10/07/2020, às 09h26

Antonov An-74 ficará duas horas parado no Aeroporto Internacional de Campo Grande. (Imagem: Divulgação)
Antonov An-74 ficará duas horas parado no Aeroporto Internacional de Campo Grande. (Imagem: Divulgação) - Antonov An-74 ficará duas horas parado no Aeroporto Internacional de Campo Grande. (Imagem: Divulgação)

No próximo domingo (12), o Aeroporto Internacional de Campo Grande receberá um avião um tanto quanto especial. Raro, o Antonov An-74 pousará por volta das 17h40 e ficará cerca de duas horas. Depois, segue para Natal antes de voar para a Ilha do Sal, em Cabo Verde, na África.

A última vez que um avião Antonov esteve por aqui foi na década de 90. O comandante Luiz David Figueiró lembrou da ocasião e reforçou a tradição russa na fabricação de aeronaves. “A Antonov é uma fábrica antiga, eles têm tradição na área da aviação. A aviação soviética é bastante importante para o leste europeu, é bem técnica”, avaliou o piloto, que tem 40 anos de experiência e é diretor técnico do Aeroclube de Mato Grosso do Sul.

O comandante David reforçou a característica especial desse modelo. “São muito preparados para ambientes inóspitos como o gelo e são preparados para pistas não convencionais”, detalhou.

Detalhes

O modelo An-74 foi planejado para dar suporte à operação no Ártico/Antártico com espaço para cinco tripulantes, tem melhores equipamentos de degelo e pode ser equipado com esquis no trem de pouso.

Com asas altas, o An-74 utiliza o Efeito Coandã, que utiliza os gases de exaustão dos motores sobre a superfície da asa para aumentar a sustentação. Os motores utilizados são o turbofan Lotarev D-36. O An-74 faz lembrar o Boeing YC-14, um protótipo do início da década de 1970 que também utilizava motores sobre a asa para aproveitar o efeito Coandă.

A fabricante soviética Antonov é da era da antiga União Soviética – região onde hoje é a Ucrânia – e o modelo An-74, em questão, foi introduzido no ano de 1983, tendo seu auge de produção em 1992. Atualmente, das 30 aeronaves existentes desse modelo, apenas 23 estão em operação.

Maior do mundo

Também da fabricante soviética Antonov, o modelo An-225 Mriya é o maior avião do mundo. É uma aeronave de transporte cargueiro estratégico, a qual foi produzida durante a década de 1980. O Antonov An-225 Mriya é a maior aeronave de asa fixa do mundo. O design, construído para transportar o ônibus espacial Buran, foi um desenvolvimento para aumentar o bem-sucedido Antonov An-124 Ruslan. Mriya significa “Sonho” (Inspiração) em ucraniano.

Jornal Midiamax