Cotidiano

Agosto não deve ter chuva em Campo Grande e tempo seco pode agravar pandemia

Não é previsão de chuva nos próximos dias e Campo Grande pode passar boa parte do mês de agosto sem uma gota d’água. A Capital, assim como outras cidades do estado, está em alerta para a baixa umidade do ar, que pode chegar a 20%. O tempo seco agrava problemas respiratórios e ainda favorece a […]

Mylena Rocha Publicado em 03/08/2020, às 12h33 - Atualizado às 12h53

 Recomendação é aumentar dose diária de consumo de água. (Foto Marcos Ermínio | Arquivo)
Recomendação é aumentar dose diária de consumo de água. (Foto Marcos Ermínio | Arquivo) - Recomendação é aumentar dose diária de consumo de água. (Foto Marcos Ermínio | Arquivo)

Não é previsão de chuva nos próximos dias e Campo Grande pode passar boa parte do mês de agosto sem uma gota d’água. A Capital, assim como outras cidades do estado, está em alerta para a baixa umidade do ar, que pode chegar a 20%. O tempo seco agrava problemas respiratórios e ainda favorece a transmissão do coronavírus, aumentando a procura nos postos de saúde em Campo Grande. 

O Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e Clima) informa que pelo menos até o dia 19 de agosto não há previsão de chuva para Campo Grande. Há chance de chuva somente a partir da segunda metade de agosto, na região centro-sul de MS. O Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) fez alerta nesta segunda-feira (3) para o perigo do tempo seco em Mato Grosso do Sul. A umidade do ar varia entre 20% e 30% e a recomendação é de que a população de hidrate bastante, evite desgaste físico nas horas mais secas e evite exposição solar.

Agosto não deve ter chuva em Campo Grande e tempo seco pode agravar pandemia
É preciso tomar cuidados com a saúde, principalmente com crianças e idosos. (Foto: Marcos Ermínio/Midiamax)

Os impactos do tempo seco também já são sentidos nos postos de saúde de Campo Grande. Segundo a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), é possível notar um aumento no número de atendimentos de pacientes com sintomas respiratórios durante este período de estiagem. A secretaria ressalta que assim como outros vírus respiratórios, o coronavírus também se propaga com mais facilidade com a estiagem, aumentando a contaminação.

Com a chegada da pandemia do coronavírus, alguns atendimentos que antes eram classificados como “resfriados comuns”, passaram a ser classificados de outra maneira, devido à maior atenção que os profissionais de saúde têm dado a esses sintomas.Dados da Sesau mostram que houve um aumento no número de atendimentos referentes à gripe nas unidades de saúde de Campo Grande. Houve um aumento de 350% entre os meses de janeiro e junho.

Com o calor intenso e a baixa umidade do ar, os problemas respiratórios podem se agravar.  Além da dica clássica de tomar muita água, o médico otorrinolaringologista da Unimed Campo Grande, Dr. Alexandre de Souza Cury, explicou ao Midiamax que outra medida importante é manter o ambiente úmido, com uso de umidificadores. Outra dica que pode trazer um conforto ao respirar é usar soro fisiológico nasal.

Chuvas em agosto

Agosto não deve ter chuva em Campo Grande e tempo seco pode agravar pandemiaO Cemtec analisou dados do Inmet e explica que a chuva só deve chegar a partir da segunda metade do mês de agosto em MS. O esperado de chuva para o estado durante o mês de agosto varia entre 25 a 75 milímetros, com os maiores acumulados se concentrando na parte centro-sul do Estado. 

As chuvas poderão se concentrar nas nas regiões sul, sudoeste, central, leste e bolsão e com previsão de chuva acima da média de forma significativa (indicado pela coloração azul). As demais áreas, espera-se chuva de dentro a abaixo do esperado do mês. 

Jornal Midiamax