Cotidiano

Para recuperar margem do Córrego Prosa, Prefeitura vai investir R$ 1,1 milhão

Com investimento de R$ 1.157.821,26 a Prefeitura de Campo Grande abriu licitação para contratar obras de recuperação em cinco trechos da margem do Córrego Prosa. O objetivo é a refazer as paredes do gabião, o piso de concreto feito sobre pedra rachão, além da construção de passeio público e urbanização.  As empresas participantes da licitação […]

Ana Paula Chuva Publicado em 03/10/2019, às 17h03

(Denilson Secreta, PMCG)
(Denilson Secreta, PMCG) - (Denilson Secreta, PMCG)

Com investimento de R$ 1.157.821,26 a Prefeitura de Campo Grande abriu licitação para contratar obras de recuperação em cinco trechos da margem do Córrego Prosa. O objetivo é a refazer as paredes do gabião, o piso de concreto feito sobre pedra rachão, além da construção de passeio público e urbanização.  As empresas participantes da licitação terão até o dia 5 de novembro para entregar as propostas.

OS trechos recuperados ficam nas avenidas Fernando Correa da Costa e Ricardo Brandão, entre as ruas José Antônio e Nova Era, e dentro do Parque das Águas, na Chácara Cachoeira.

Um levantamento da Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços) identificou quase 100 metros de gabião danificados, por conta de 15 anos sem manutenção, o projeto para a recuperação foi definido com base no estudo.

A Prefeitura ressalta que, um dos problemas identificados foi o processo de “oxidação” (ferrugem) de parte dos arames decorrente do contato com a água. “Com isto, as gaiolas se abrem e a correnteza leva as pedras, derrubando os muros”, explica o secretário Rudi Fiorese. 

Ao todo, serão implantados 699 metros cúbicos de muro, com trechos em que haverá reconstrução, com enchimento das gaiolas com pedra rachão, envolvidas com lona geotêxtil para filtrar a areia que desce junto à enxurrada. Serão instalados drenos a cada 2 metros para o escoamento das águas pluviais. A lona e os drenos, segundo explicações dos técnicos da SISEP, reduzirão a pressão sobre a parede de proteção das margens do córrego.

O projeto contempla também, ao custo de R$ 209 mil o plantio de 1.100 mudas, controle de pragas e formigas, além da implantação de metros de cerca na Praça da Águas, ações previstas no PRAD (Projeto de Recuperação de Área  Degradada).

Jornal Midiamax