Cotidiano

Músicos esperam cachê da Fundação de Cultura há um ano

Os músicos regionais de Mato Grosso do Sul estão passando por alguns problemas desgastantes como por exemplo, o atraso do pagamento dos cachês feitos pela Fundação de Cultura, através do Governo do Estado. Um músico de 33 anos, que preferiu não se identificar, justificou que os vencimentos estão atrasados há um ano e até o […]

Vinícius Costa Publicado em 27/03/2019, às 12h24 - Atualizado às 13h33

None

Os músicos regionais de Mato Grosso do Sul estão passando por alguns problemas desgastantes como por exemplo, o atraso do pagamento dos cachês feitos pela Fundação de Cultura, através do Governo do Estado.

Um músico de 33 anos, que preferiu não se identificar, justificou que os vencimentos estão atrasados há um ano e até o momento, não há nenhuma sinalização para a quitação dos cachês dos músicos regionais. “Tem que ficar esperando a boa vontade deles para pagar. Não colocam um prazo, fica tudo para o mês que vem, mas esse mês nunca que chega”, disparou. “Eles protelam mês a mês esse pagamento, mas não sai disso”.

O cantor também afirmou que outros músicos do segmento do samba estão sem receber, como o Grupo Sampri, Pegada de Macaco e outros estão passando pelo mesmo problema de atraso. Ele também contesta que por muitas vezes, cachês enormes são pagos para músicos nacionais e acabam deixando os regionais sem espaço.

O músico lamenta que todo o processo seletivo para poder cantar e se apresentar no Estado é desgastante. “É uma falta de respeito com a música cultural. O processo seletivo é enorme, vários documentos”, indagou.

O que diz a FCMS

A FCMS (Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul) admitiu que existem os atrasos nos pagamentos e culpou que os repasses são feitos pela Secretaria de Estado de Fazenda. A fundação ainda explica que tentará pagar os convênios mais breve possível.

“Realmente existem atrasos em alguns pagamentos de convênios. A Fundação de Cultura está trabalhando para quitar esses convênios o mais rápido possível, dando prioridade aos mais antigos”, pontuou.

Jornal Midiamax