Cotidiano

Hospital Universitário realiza mutirão para colocação de DIU de cobre

O serviço de ginecologia do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian (Humap) inicia nesta segunda-feira (8) mutirão para colocação de DIU (Dispositivo Intrauterino) de cobre, gratuitamente, pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O mutirão segue até o final de abril. Considerado método contraceptivo eficaz, prático e sem hormônio, o DIU é colocado no útero, tem validade […]

Guilherme Cavalcante Publicado em 08/04/2019, às 12h20

(Foto: Ministério da Saúde | Divulgação)
(Foto: Ministério da Saúde | Divulgação) - (Foto: Ministério da Saúde | Divulgação)

O serviço de ginecologia do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian (Humap) inicia nesta segunda-feira (8) mutirão para colocação de DIU (Dispositivo Intrauterino) de cobre, gratuitamente, pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O mutirão segue até o final de abril.

Considerado método contraceptivo eficaz, prático e sem hormônio, o DIU é colocado no útero, tem validade de 10 anos e eficácia de 99,3% na contracepção. Sua instalação é feita com apenas um procedimento médico e tem poucos efeitos colaterais.

O contraceptivo é indicado para mulheres que já iniciaram a vida sexual, podendo ser utilizado desde a adolescência até à menopausa – independentemente do número de gestações – e também por mulheres que estejam amamentando, pois não interfere no processo de lactação.

Segundo o Humap, serão atendidas oito pacientes por dia, às segundas e quintas-feiras no período da tarde (12h às 17h) e terças e sextas-feiras de manhã (7h às 12h), no Ambulatório de Ginecologia do Humap-UFMS. É preciso que a paciente apresente teste de gravidez (pode ser de urina, realizado em postos de saúde, ou de sangue) recente, no qual conste o nome da paciente.

O DIU pode ser colocado a qualquer momento durante o ciclo menstrual, desde que haja a certeza de que a mulher não está grávida. É preferível colocar durante a menstruação.

Para mulheres que acabaram de ter filho, o dispositivo pode ser colocado no prazo de 48 horas após o parto. Após esse prazo, é preciso aguardar pelo menos quatro semanas.

A contraindicação vai para mulheres com doença inflamatória pélvica, corrimento vaginal não diagnosticado, miomas que distorçam a cavidade uterina, sangramento vaginal sem diagnóstico, malformações uterinas e estreitamento do canal do colo uterino ou com câncer do colo do útero e do endométrio.

O agendamento deve ser feito pelo número (67) 3345-3138, das 9h30 às 11h, e das 14h às 16h.

(Com informações da assessoria)

Jornal Midiamax