Cotidiano

Reinaldo deve mandar projeto para prorrogar abono de R$ 200 por 60 dias

Em reunião na Governadoria na tarde desta segunda-feira (29), o Governo do Estado anunciou que enviará à Assembleia Legislativa projeto de lei garantindo o pagamento do abono salarial de R$ 200 ao funcionalismo por mais dois meses, no período em que durarem as negociações por reajuste. Criado em 2016, o abono tinha data de término […]

Danúbia Burema Publicado em 29/04/2019, às 18h24 - Atualizado em 30/04/2019, às 11h09

Reunião foi realizada na Governadoria na tarde desta segunda-feira. Foto. Divulgação
Reunião foi realizada na Governadoria na tarde desta segunda-feira. Foto. Divulgação - Reunião foi realizada na Governadoria na tarde desta segunda-feira. Foto. Divulgação

Em reunião na Governadoria na tarde desta segunda-feira (29), o Governo do Estado anunciou que enviará à Assembleia Legislativa projeto de lei garantindo o pagamento do abono salarial de R$ 200 ao funcionalismo por mais dois meses, no período em que durarem as negociações por reajuste.

Criado em 2016, o abono tinha data de término prevista em lei e, com isso, já não entraria na folha de pagamento de abril. A pedido do funcionalismo, a comissão de deputados formada para fazer a interlocução com o Executivo pediu a manutenção do pagamento enquanto durarem as negociações salariais.

“O Governo ficou de mandar hoje o projeto de lei que prorroga o pagamento do abono. E os deputados fizeram o compromisso com o Governo e com os servidores que nós vamos votar isso amanhã em primeira e segunda votação”, informou o deputado estadual Coronel David (PSL).

Reunião 

Ele participou de reunião com os titulares da Segov (Secretaria de Governo), Eduardo Riedel, e da SAD (Secretaria de Administração e Desburocratização), Roberto Hashioka, na tarde desta segunda-feira (29) na Governadoria.

Estiveram também presentes o Controlador-Gerald do Estado, Carlos Eduardo Girão, e a Consultora Legislativa Ana Carolina. Pela Assembleia, participaram ainda os deputados Gerson Claro (PP), Cabo Almi (PT) e o líder do Governo, Barbosinha (DEM).

O anúncio do projeto foi feito pelo secretário Riedel, que convocou a reunião com os deputados. Pelo projeto, o abono fica prorrogado até 31 de maio deste ano, sendo garantido o recebimento dos R$ 200,00 pelos servidores nos salários de abril, pago em maio, e de maio, que será pago no mês de junho.

Segundo Coronel David, a comissão formada para fazer a interlocução com o Governo continuará atuando. “Corria o risco de o abono não entrar no mês de maio. Enquanto ficassem ocorrendo as negociações, ele estaria suspenso. Então agora por dois meses o abono vai ser mantido. E aí sua continuidade vai ser definida nessas negociações com o Governo”, detalhou o parlamentar.

Ele informou que o Governo irá aguardar a aprovação do projeto, prevista para a terça-feira (30), para sancionar a lei e somente depois fechar a folha de pagamento.

“Nós vamos fazer um esforço concentrado pra aprovar amanhã e vai ser incluído na folha de pagamento sem ser necessário folha suplementar”, informou o líder do Governo na Assembleia, deputado Barbosinha (DEM).

Servidores permanecerão mobilizados

Depois da notícia de que o abono salarial de R$ 200 será mantido por mais dois meses na folha salarial dos servidores públicos do Governo do Estado, as categorias afirmam que apesar do avanço nas negociações, os funcionários “continuam mobilizados”.

“A gente não vai aceitar que se retire [o abono], não vai aceitar retroceder. Entendemos que se o governo fez essa extensão é porque ele tem condições de fazer”, afirmou Ricardo Bueno, um dos coordenadores do Fórum dos Servidores Públicos do Estado.

Para Bueno, essa sinalização do governo foi entendida pela categoria como um avanço nas negociações. “Por isso o tereré na frente da Governadoria está suspenso”. Os servidores prometem comparecer na Assembleia na terça-feira (30) para acompanhar a votação da prorrogação do benefício.

As categorias também sugeriram que o Executivo, dentro do mês de maio, mostre os dados do orçamento do quadrimestre. “Para que o Governo mostre se conseguiu melhorar a questão do limite prudencial e que a gente discuta a incorporação do abono, mais a revisão geral anual”, declarou Bueno.

Jornal Midiamax