Cotidiano

Da tosa ao picolé: Confira dicas para evitar que pets desmaiem ou até morram com calor de 40°C

Com o calorão beirando os 40°C em Mato Grosso do Sul nesta quinta-feira (19), muito se fala sobre a saúde humana, mas o que pouca gente percebe é que os bichinhos também sofrem com o clima. O calor excessivo pode levar animais de estimação a terem desmaios, hipertermia e pode até levar à morte. A […]

Mylena Rocha Publicado em 19/09/2019, às 12h33 - Atualizado às 21h01

Dar picolé de frutas ou gelo com um pedacinho de carne dentro são alternativas para aliviar o calor dos pets. (Foto: Arquivo Pessoal/Nathália Guedes)
Dar picolé de frutas ou gelo com um pedacinho de carne dentro são alternativas para aliviar o calor dos pets. (Foto: Arquivo Pessoal/Nathália Guedes) - Dar picolé de frutas ou gelo com um pedacinho de carne dentro são alternativas para aliviar o calor dos pets. (Foto: Arquivo Pessoal/Nathália Guedes)

Com o calorão beirando os 40°C em Mato Grosso do Sul nesta quinta-feira (19), muito se fala sobre a saúde humana, mas o que pouca gente percebe é que os bichinhos também sofrem com o clima. O calor excessivo pode levar animais de estimação a terem desmaios, hipertermia e pode até levar à morte.

A médica veterinária Nathália Guedes já perdeu um cachorro para o clima. Ela conta que o cão da raça bulldog estava hospedado em um hotel para pets, quando teve hipertermia, que é o aumento da temperatura corporal. Como ninguém estava por perto, o animal acabou morrendo.

No caso de hipertermia, os donos devem ficar atentos aos sintomas, como a respiração ofegante e ao animal inquieto. A salivação excessiva, vômitos, andar cambaleante, corpo quente, língua roxa e mucosas de cor escura também são sinais. A veterinária Nathália conta que, nos primeiros sintomas, a recomendação é retirar o animal da situação de calor, umedecer o lombo (com água ou toalha molhada) e procurar um médico veterinário.

Os donos devem ter uma preocupação redobrada com animais que têm problemas respiratórios, como os da raça pug, shitsu, bulldog e lhasa, por exemplo. “Campo Grande é um local que têm uma onda de calor, então temos que tomar cuidado, principalmente com estas raças. Cuidado com horários de muito sol, [o dono] também pode aplicar protetor solar no cão e hidratar muito”, diz a médica veterinária Cláudia Mendes.

Da tosa ao picolé: Confira dicas para evitar que pets desmaiem ou até morram com calor de 40°C
Caso deixe o pet sozinho em casa ou no apartamento, deixe o ambiente ventilado. (Foto: Arquivo Pessoal/Guilherme Cavalcante)

Com o calorão de 40°C, medidas simples podem evitar que os animais domésticos passem mal e, podem até ser um momento de diversão, como no caso dos banhos de mangueira ou bacia. Confira as dicas:

Espalhe potes d’água pela casa

Para manter os animais hidratados, é importante não deixar apenas uma vasilha com água. A dica das especialistas é de colocar vários potes pela casa. “Tem que sempre cuidar a oferta de água, tem que ser limpa e fresca. É bom colocar vasilhas grandes espalhadas pela casa”, diz a veterinária Nathália.

Mantenha os ambientes ventilados

Para quem mora em apartamento e trabalha fora, é comum deixar o animal de estimação o dia todo sozinho em casa. Neste caso, para evitar o pior, a recomendação é de manter o ambiente bem ventilado. Deixar as janelas abertas e, se possível, um ventilador, pode evitar que o pet passe mal quando ninguém está por perto.

Da tosa ao picolé: Confira dicas para evitar que pets desmaiem ou até morram com calor de 40°C
Animais que gostam de banho podem até se divertir com o calor. (Foto: Arquivo Pessoal/Nathália Guedes)

Dê banhos para refrescar

Outra medida que pode aliviar o calor da ‘bicharada’ é dar banhos. A veterinária Cláudia Mendes recomenda o banho uma vez por semana para os cães e a cada 20 dias para os gatinhos.

Uma piscina improvisada também é uma ideia e pode até render momentos de diversão para os pets. “Também pode colocar uma piscininha ou uma bacia para o animal se refrescar, alguns animais gostam bastante de tomar banho”, diz Nathália.

Tose o pelo dos pets

Os donos não precisam ser radicais e raspar todo o pelo dos cães, mas uma tosa para deixar os pelos mais curtos já ajuda. “Para não perder as características da raça, a gente orienta a pelo menos deixar o pelo um pouco mais curto”, diz Cláudia.

Cuidado com as comidas

Uma medida importante é prestar atenção na alimentação dos animais. Eles podem ter problemas gastrointestinais no caso de a comida estragar com o calor. Além disso, cães com sobrepeso sofrem mais no calor, logo, cuidado para não exagerar na oferta de comida.

Evite passeios nos horários mais quentes

Da tosa ao picolé: Confira dicas para evitar que pets desmaiem ou até morram com calor de 40°C
Ao invés de passear, a recomendação é deixar os animais repousarem nos horários mais quentes. (Foto: Arquivo Pessoal/Guilherme Cavalcante)

No caso do passeio dos bichinhos, a recomendação é evitar passear nas horas mais quentes do dia. Ainda mais por conta do chão quente, que pode acabar queimando as patinhas dos pets.

“Quem está de sapato não percebe quão quente está o chão, mas a patinha acaba queimando e o animal pode passar mal por conta do calor”, recomenda a veterinária Nathália.

Evite mudanças de temperatura

Para que os animais não tenham um mal-estar, uma dica importante é evitar a mudança brusca de temperatura. Atitudes como tirar o animal do carro com ar condicionado para um ambiente de muito calor ou jogar água gelada no pet para ‘refrescar’ podem ser prejudiciais.

Picolé e gelo também são uma boa ideia

Por fim, uma alternativa válida é oferecer picolés de fruta ou gelo para os animais. “O picolé é válido, mas tem que ser picolé de fruta, não pode ser de chocolate ou doce. Também pode fazer gelo com um pedacinho de carne ou de fruta dentro, pode colocar pedrinha de gelo na água dele”, orienta Nathália Guedes.

Jornal Midiamax