Cotidiano

Vila da Melhor Idade: Campo Grande terá condomínio social exclusivo para idosos

Campo Grande deve ganhar um condomínio para idosos na área central da cidade. O prefeito Marquinhos Trad anunciou nesta terça-feira (30) o projeto ‘Vila da Melhor Idade’, que contará com 40 unidades e será exclusiva para os idosos, como uma forma de garantir independência a esta população. De acordo com a Prefeitura, idosos solteiros ou […]

Mylena Rocha Publicado em 30/10/2018, às 12h49 - Atualizado às 15h59

Foto: Divulgação/PMCG
Foto: Divulgação/PMCG - Foto: Divulgação/PMCG

Campo Grande deve ganhar um condomínio para idosos na área central da cidade. O prefeito Marquinhos Trad anunciou nesta terça-feira (30) o projeto ‘Vila da Melhor Idade’, que contará com 40 unidades e será exclusiva para os idosos, como uma forma de garantir independência a esta população.

De acordo com a Prefeitura, idosos solteiros ou casados serão contemplados com a iniciativa, que tem um investimento previsto em R$ 3,5 milhões do município. No projeto, cada apartamento contará com sala, cozinha, área de serviço, quarto, banheiro e varanda. Além disso, todos os blocos serão pintados de cores diferenciadas para facilitar a localização e contarão com elevadores para assegurar a acessibilidade.

O espaço será construído em uma área em frente ao teatro de arena do Horto Florestal, localizado na confluência da rua Anhanduizinho com a Fernando Corrêa da Costa, onde funcionava a antiga sede da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), informou a Prefeitura. O condomínio terá área de convivência, horta, capela ecumênica e biblioteca.

De acordo com o diretor da Emha (Agência Municipal de Habitação), Eneas José de Carvalho, o projeto será de “locação social”, a fim de garantir a rotatividade do público idoso assegurando, assim, a modelagem utilizada de habitação de interesse social a esse público específico.

“O idoso pagará taxa mínima para ocupar o imóvel. Porém, o projeto arquitetônico prevê cinco espaços para fins comerciais, cujos valores arrecadados por meio da locação dos mesmos serão revertidos para ajudar no custeio do regime condominial, reduzindo ainda mais a aplicação de valores por parte dos locatários”, explica.

De acordo com o diretor da Emha, os critérios para que a pessoa se habilite para ocupar uma das unidades serão definidos logo após a aprovação do Plano Diretor e da criação da Nova Política de Habitação, que está sendo revisada. A distribuição dos apartamentos será feita por meio de sorteio público. A expectativa, segundo Eneas, é de que a construção do condomínio seja iniciada no próximo ano.

(Com informações da Prefeitura Municipal de Campo Grande)

Jornal Midiamax