Cotidiano

Ministério Público investiga aumento abusivo em tarifas de água de Campo Grande

O MP-MS (Ministério Público Estadual) instaurou nesta terça-feira (14) um inquérito civil contra a concessionária Águas Guariroba para apurar suposto aumento indevido nas contas de água e esgoto dos consumidores de Campo Grande. De acordo com as investigações do órgão, desde o início do ano mais de 276 reclamações formais foram protocoladas no Procon-MS (Superintendência […]

Joaquim Padilha Publicado em 16/08/2018, às 07h51 - Atualizado às 07h54

(Reprodução: Águas Guariroba)
(Reprodução: Águas Guariroba) - (Reprodução: Águas Guariroba)

O MP-MS (Ministério Público Estadual) instaurou nesta terça-feira (14) um inquérito civil contra a concessionária Águas Guariroba para apurar suposto aumento indevido nas contas de água e esgoto dos consumidores de Campo Grande.

De acordo com as investigações do órgão, desde o início do ano mais de 276 reclamações formais foram protocoladas no Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor) contra a empresa, sendo quase 200 delas por cobrança indevida ou abusiva.

As investigações tiveram início após moradores do bairro Monte Carlo irem ao Ministério Público relatar o aumento abusivo das tarifas. A conta de um dos moradores subiu de R$ 138 para R$ 225 em dois meses em um dos casos, e de R$ 313 para R$ 531 em um mês noutro caso.

O MP-MS questionou a Águas Guariroba especificamente sobre a situação dos dois moradores, e a concessionária respondeu em ofício que as casas teriam tido um “aumento considerável” no consumo de água em relação aos meses anteriores.

A concessionária também informou ao Ministério Público que não se responsabiliza por problemas como vazamentos de água e esgoto nas instalações dos usuários, capazes de aumentar o consumo. A Águas ainda disse ter enviado técnicos às residências dos denunciantes, que não encontraram “nenhum dano a ser reparado”.

Após ter constatado, entretanto, a recorrência de reclamações de cobranças abusivas no Procon, o MP-MS decidiu por instaurar um inquérito civil sobre o caso. O órgão pediu cópias das últimas 30 reclamações mais recentes contra a Águas para subsidiar os trabalhos.

As investigações tramitam na 25ª Promotoria de Justiça de Campo Grande. A Promotoria pede que moradores da capital que suspeitarem de aumentos abusivos em suas contas procurem o órgão para darem mais subsídios ao inquérito civil.

O Jornal Midiamax procurou a Águas Guariroba, que informou via assessoria que não foi notificada até o momento das investigações, e que aguarda a notificação para emitir um posicionamento.

Jornal Midiamax