Cotidiano

Laudo técnico da Embrapa prevê cheia rigorosa no Pantanal em 2018

Régua de Ladário deve atingir de 4,81 a 5,78 metros

Guilherme Cavalcante Publicado em 28/03/2018, às 15h57

None

Régua de Ladário deve atingir de 4,81 a 5,78 metros

Com previsão de cheia rigorosa em 2018, laudo técnico da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) Pantanal recomenda a retirada total dos rebanhos bovinos das fazendas localizadas em áreas que serão afetadas pelas inundações. O documento foi entregue ao Sindicato Rural de Corumbá, a fim de que pecuaristas possam proteger os rebanhos.

De acordo com o laudo, entre as áreas que deverão ser afetadas estão o baixo Pantanal, nas sub-regiões do Abobral (Miranda, Negro, Aquidauana), Nabileque (inclusindo o Jacadigo) e Paraguai (entre as morrarias do Amolar e Urucum). Segundo a Embrapa, em propriedades de outras regiões do bioma pantaneiro, a recomendação é que até metade dos rebanhos seja deslocada para áreas mais altas.

De acordo com as informações do documento emitido pela instituição, a inundação deste ano atingiu uma área total de cerca de 40 mil km² até o mês de fevereiro, sendo as áreas do médio e baixo Pantanal as mais sujeitas aos impactos das grandes enchentes. Vale lembrar que, na região, algumas propriedades são afetadas apenas pelas enchentes (influência das chuvas) e outras sofrem também os efeitos das cheias influenciadas pelo nível dos rios.

A expectativa é que em 2018 a régua de Ladário, no Rio Paraguai, deva atingir de 4,81 a 5,78 metros – estima-se que a área de inundação resulte entre 71 e 90 mil km² em toda a planície pantaneira, a partir do aumento do leito do rio. O período de cheia pode durar em média 170 dias, o que classifica o fenômeno como rigoroso em 2018.

Consequências

Laudo técnico da Embrapa prevê cheia rigorosa no Pantanal em 2018

Na pecuária, estima-se que os efeitos da cheia perdurem até 2019. Segundo o presidente do Sindicato Rural de Corumbá, Luciano Leite, isso será sentido no score corporal das vacas de cria. “Esses animais, por serem retirados dessas áreas mais baixas, vão diminuir seu score corporal. Consequentemente, vão diminuir a produção de bezerros de maio de 2019 (da próxima estação de parição)”.

No Pantanal, de acordo com a Embrapa, há mais de 2 milhões e 300 mil cabeças de gado na região do baixo Pantanal. (Com informações da assessoria)

Jornal Midiamax