Cotidiano

Cerca de 200 demitidos da Seleta levam ‘bolo’ na hora fazer a rescisão

Sindicato diz que Prefeitura não informou mudança no cronograma 

Wendy Tonhati Publicado em 25/07/2017, às 15h56

None

Sindicato diz que Prefeitura não informou mudança no cronograma 

Cerca de 200 trabalhadores da Seleta Sociedade Caritativa, que foram demitidos em junho, ainda não tiveram acesso às verbas rescisórias. O problema destes ‘ex-Seleta’ é que as rescisões foram agendadas para os dias 21 a 23, no sindicato da categoria, mas o procedimento foi cancelado e ninguém sabe quando será feito.

De acordo com a presidente do o Senalba (Sindicato dos Trabalhadores em Entidades Culturais, Recreativas, de Assistência Social de Mato Grosso do Sul), Maria Joana Barreto, a Prefeitura não teria feito o repasse dos valores para a Seleta, desta forma não há como fazer as rescisões.

Com isso, os trabalhadores estão sem receber direitos como 13° salário, férias proporcionais, aviso prévio indenizado, multa de 40% do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço). Sem fazer a rescisão, também não tem como os ex-funcionários da Seleta entrarem com pedido de seguro-desemprego.

“Estamos recebendo muitas ligações de trabalhadores desesperados e com as contas a vencer. Eles não receberam o salário e estão preocupadíssimos. Choram muito”, conta a presidente do sindicato.

Outro problema, é que alguns dos demitidos passaram na seleção que a Prefeitura fez para substituir os terceirizados e é necessário dar baixa na carteira de trabalho para poder prosseguir com a nova contratação.

O sindicato procurou a Prefeitura e uma reunião foi marcada, mas não houve uma resposta. O encontro deveria reunir o assessor jurídico do sindicato Rubylan Oliveira, o procurador do Município e o secretário de finanças, Pedro Pedrossian Neto, mas só quem esteve, por parte da Prefeitura, foi o chefe de gabinete do prefeito Marcos Trad (SPD) que não pode dar encaminhamento a questão.

O Jornal Midiamax procurou a Prefeitura de Campo Grande para saber sobre esta situação, mas não houve resposta até o fechamento desta matéria.

Os 4,4 mil funcionários da Seleta e Omep que atuavam na Prefeitura vão receber as rescisões salariais de forma parcelada, segundo o prefeito Marcos Trad (PSD). A prefeitura tem até sexta-feira (28) para extinguir integralmente os convênios com as entidades e, consequentemente, demitir todos os terceirizados. A determinação partiu da Justiça, após ação ajuizada pelo MPE-MS (Ministério Público Estadual) apontar supostas irregularidades.

Jornal Midiamax