Cotidiano

Após quase fechar, primeiro Centro de Parto Normal de MS recebe R$ 600 mil

CPN de Sidrolândia iria fechar por falta de recursos

Joaquim Padilha Publicado em 29/05/2017, às 14h55

None

CPN de Sidrolândia iria fechar por falta de recursos

Após correr o risco de fechar por falta de apoio do governo do Estado, o CPN (Centro do Parto Normal) de Sidrolândia, unidade anexa do Hospital Elmíria Silvério Barbosa, deve receber R$ 600 mil da União para sua manutenção.

Em publicação no Diário Oficial da União desta segunda-feira (29), o ministro substituto da Saúde, Antonio Carlos Figueiredo, autorizou o repasse de R$ 600 mil ao CPN, em parcelas mensais, a partir de julho.

Os recursos são aguardados desde dezembro do ano passado pelo Hospital, quando o CPN teve sua habilitação aprovada pela Equipe Técnica da Saúde da Mulher, do Ministério da Saúde. Porém o repasse do governo Federal só foi autorizado agora.

O complexo começou a funcionar em setembro de 2016, e é a primeira unidade hospitalar do Estado especializada em partos naturais de risco. A implantação dos CPNs faz parte dos projetos do Humaniza SUS, com o objetivo de ofertar gratuitamente o parto humanizado à população brasileira.Após quase fechar, primeiro Centro de Parto Normal de MS recebe R$ 600 mil

Em março de 2016, o governo do Estado se comprometeu a repassar R$ 25 mil mensais ao Centro. Entretanto, só duas parcelas foram repassadas, e o Estado encerrou os repasses alegando haver burocracias.

Atualmente, o CPN recebe R$ 25 mil da Prefeitura de Sidrolândia.O diretor clínico do hospital, Renato Couto, explicou que esse valor é suficiente para manter o Centro operando com 40% de sua capacidade, em entrevista concedida à Prefeitura em abril.

Os novos repasses ao Centro de Parto Normal serão retirados do Fundo Nacional de Saúde e passarão ao Fundo Municipal de Saúde de Sidrolândia. Pelas normas do Ministério da Saúde, recebendo os recursos federais o Hospital deverá atender um mínimo de 40 partos por mês. 

(com supervisão de Evelin Cáceres)

Jornal Midiamax