Cotidiano

Moradores de favela no Noroeste prometem resistir à reintegração

Manifestação continua à margem da BR-163

Midiamax Publicado em 29/06/2016, às 13h40

None
img-20160629-wa0024.jpg

Manifestação continua à margem da BR-163

Moradores que residem em uma área invadida no Jardim Noroeste, na região leste de Campo Grande, prometem resistir à ordem de reintegração de posse, que deve ser realizada até o próximo dia 7. Ao todo 93 famílias moram no local, a maioria há mais de dez anos.

Carmem da Silva, de 53 anos, mora com o marido há 13 anos no local e garante que não vai deixar a área. "Vamos resistir. Se quiser passar patrola, vai ter de passar em cima dos moradores", declara.

Leonardo Soares, de 25 anos, também afirma não ter para onde ir com a família. "Queremos resposta. Estamos esperando. Se for preciso vamos para a frente da Prefeitura já que aqui eles não vêm", afirma se referindo aos representantes do Município.

Marilza de Oliveira, de 40 anos, mora no local com as filhas de 17 e 9 anos, além do genro de 19 anos. A moradora diz que ocupou a área há dez anos e quem não sairá da casa. "Não vou sair. Quando cheguei aqui era só mato, plantei, tenho horta e frutas. Não vou deixar a casa que construí com tanta dificuldade", justifica.

O prazo de reintegração de posse termina no próximo dia 7 e a Prefeitura ainda não encontrou uma solução para os moradores que terão de deixar o local.

Manifestação –

Na manhã desta quarta-feira (29), cerca de 20 moradores tentaram bloquear a BR-163, na entrada do bairro, a fim de chamar a atenção das autoridades competentes para o problema, no entanto, eles foram impedidos por policiais da PRF (Polícia rodoviária Federal) que retiraram os galhos colocados e também os manifestantes que estavam na pista.

O inspetor da PRF, Alécio Ferreira, explica que teve de retirar os moradores para evitar acidentes no local. "Estamos preocupados porque tem crianças aqui e temos de garantir que não haja nenhum acidente", justifica. Houve princípio de tumulto entre manifestantes e policiais. Um vídeo foi gravado pela equipe de reportagem do Jornal Midiamax.  

Jornal Midiamax