Cotidiano

Manifestantes desrespeitam acordo em bloqueio de BR e PRF pede reforço

Bloqueio gerou congestionamento de 3 quilômetros

Midiamax Publicado em 28/06/2016, às 20h52

None
567e3897-e631-4599-a120-dff6af012a9e.jpg

Bloqueio gerou congestionamento de 3 quilômetros

Os moradores que bloqueiam o trecho 483, da BR-163 nesta terça-feira (28), desde às 15h, não respeitaram o acordo da liberação de meia pista por 15 minutos e agentes da PRF (Polícia Rodoviária Federal) pediram reforço de equipe.

Conforme o agente Alécio Ferreira, da PRF, os moradores voltaram a bloquear a pista, antes de completar os 15 minutos de acordo. Segundo ele, em determinado momento um dos moradores jogou uma porta no meio da rodovia e uma carreta bi-trem precisou frear bruscamente.

"É um perigo um morador se jogar em frente a uma carreta bi-trem, em minha opinião perdeu a razão", disse.

Conforme a dona de casa Carmem da Silva, de 53 anos, líder comunitária disse que receberam a ordem de despejo e têm, até dia 7 de julho para desocuparem a área invadida.

Ainda segundo a dona de casa, o presidente da Emha chegou a comentar com os moradores, ‘que não tem onde colocar as famílias’.

O caminhoneiro Nilson Rodrigues está desde o dia 23 de junho na estrada e aguarda o bloqueio há cerca de uma hora, com uma carga de madeira que transporta do Norte do Mato Grosso com destino ao Porto de Paranaguá. “Vou ter que ficar esperando fazer o que? Não tem outro jeito. Já deu tempo de fazer e tomar um café”, disse.

O bloqueio gerou congestionamento de três quilômetros e as carretas que passariam pelo trecho são escoltadas pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) pelo Parques dos Poderes

Os moradores do bairro Noroeste, que invadiram parte de uma área da Prefeitura de Campo Grande protestam por conta de uma reintegração de posse movida pela Energisa, concessionária de energia de Mato Grosso do Sul.

O primeiro bloqueio ocorreu no dia 5 de maio, quando os moradores foram surpreendidos com a chegada de um oficial de justiça informando sobre um processo de reintegração de posse, movido pela Energisa.

Jornal Midiamax