Cotidiano

Frigorífico suspende abate por causa da chuva e prejuízo chega a R$ 4,5 milhões

Curral está de baixo d'água e não hpa como realizar o serviço

Kemila Pellin Publicado em 14/01/2016, às 21h13

None
fe6cba4d-5c36-4b2b-ab6c-4dac6404aa77.jpg

Curral está de baixo d'água e não hpa como realizar o serviço

Um frigorífico da rede JBS instalado no município de Anastácio, distante 140 quilômetros de Campo Grande, precisou suspender o abate do gado nos próximos três dias, porque a curral onde o serviço é feito está alagado. O nível do Rio Aquidauana, que separa as duas cidades, já subiu 6,30 metros acima do normal, deixando várias famílias desabrigadas e estradas destruídas. A empresa estima um prejuízo de R$ 4,5 milhões.

O funcionário responsável pela compra de bois, que preferiu não se identificar, explicou que em média 600 animais são abatidos por dia no frigorífico e que cada um é comercializado a R$ 2,5 mil, ou seja, cada sem realizar o serviço gera um prejuízo de R$ 1,5 milhões a empresa. Como a previsão é de que o serviço só seja retomado na segunda-feira (18), a estimativa R$ 4,5 milhões a menos no caixa da JBS.

Pelo menos 60% da produção do frigorífico é destinada a exportação para o mercado Árabe e para cidade chinesa de Hong Kong. O restante dos produtos abastecem os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul. Por enquanto o não há previsão de falta do produto no mercado, porque o frigorífico ainda tem estoque e está trazendo 60 toneladas de carne da empresa de Coxim, para ser desossada no local, e depois distribuídas aos clientes.

Ainda segundo funcionários, 500 pessoas trabalham na sede de Anastácio e pelo menos 250 delas estão paradas em casa, porque atuam no setor de abate. 

Jornal Midiamax