Cotidiano

Depois de ameaçar greve, trabalhadores dos Correios aceitam proposta

Acordo coletivo foi assinado nessa terça-feira

Midiamax Publicado em 21/09/2016, às 11h24

None
ato_sintect_01082016_011.jpg

Acordo coletivo foi assinado nessa terça-feira

Depois de ameaçar paralisar as atividades por conta do impasse nas negociações com a ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos sobre reajuste salarial e benefícios, trabalhadores dos Correios aceitaram proposta e assinaram o coletivo de 2016/2017.

A proposta assinada nessa terça-feira (20) em Brasília, prevê reajuste de 9%, a ser concedido nos percentuais de 6%, em agosto de 2016, e 3%, em fevereiro de 2017, além de 8,74% aplicados sobre os benefícios e manutenção de demais cláusulas reivindicadas pela categoria. 

Em Mato Grosso do Sul são 1.500 trabalhadores nas 91 agências e cinco CDDs (Centros de Distribuições Domiciliares) espalhados pelo interior do Estado, sendo 800 deles nas 22 agências de Campo Grande, além de outros seis CDDs na Capital. 

Apesar do acordo, a presidente do Sintect-MS (Sindicato dos Trabalhadores nos Correios, Telégrafos e Similares de Mato Grosso do Sul), Elaine Regina de Souza Oliveira, não descarta possibilidade de paralisação da categoria. 

"Caso a empresa venha desrespeitar os acordos ou o governo privatizem os Correios, o que é a principal ameaça para nós, nada impede que façamos paralisações", observa. 

Na semana passada, depois de apresentação da proposta, houve paralisação parcial em algumas regiões do país, de no máximo dois dias, porém o índice de adesão foi de menos de 1% e nesse período, os Correios funcionaram com todas as agências abertas os serviços disponíveis.

Jornal Midiamax