Cotidiano

Com contrato aditivado pela Prefeitura, Selco atrasa salário de funcionários

Não é a primeira vez que funcionários param

Wendy Tonhati Publicado em 21/10/2016, às 12h59

None
68d3380d-ebea-4569-a77d-165a044831d7.jpg

Não é a primeira vez que funcionários param

Aproximadamente 80 trabalhadores da empreiteira Selco paralisaram as atividades mais uma vez, na manhã desta sexta-feira (21). O motivo é a falta de pagamento do salário do mês de setembro. Na última quinta-feira (20),a gestão do prefeito Alcides Bernal (PP) autorizou aditivo em contrato com a empreiteira, que é uma das investigadas pela Operação Lama Asfáltica.

Os funcionários da Selco estão realizando paralisações praticamente mensais por conta da dificuldade em receber o ordenado. Em junho, após uma das paralisações, alguns dos grevistas foram coincidentemente demitidos com a justificativa de crise pela empresa. No mês seguinte, diante de novo atraso, os funcionários tiveram problemas novamente para receber os salário.Em setembro, não foi diferente a situação dos funcionários.

De acordo com o presidente do Sinticop (Sindicato dos Trabalhadores na Construção Pesada de Mato Grosso do Sul), Walter Vieira dos Santos, a previsão da empresa é de pagamento entre a terça-feira (26) e quarta-feira (26). Os funcionários, segundo o presidente do sindicato, estão com o salário de setembro e o vale-alimentação atrasados.

“Alguns vão trabalhar e outros não. O sindicato tomou as primeiras providências, notificando a empresa dando o prazo de 24 horas para o pagamento. O prazo venceu e agora, vamos direcionar ao setor jurídico e terça-feira retornar a empresa”, diz

O contrato da Prefeitura com a Selco foi assinado em 5 de março de 2012, ainda na gestão de Nelsinho Trad (à época no PMDB, hoje no PTB), pelo então secretário de obras, João Antonio de Marco e Uilson Simioli. O valor original era de R$ 5,3 milhões, e previa ‘execução de obras, visando a manutenção de estradas vicinais não pavimentadas, consistindo na execução de serviços de limpeza e revestimento primário na CG 140, 180, 160 (estrada boiadeira) e ramais, em Campo Grande’.Com contrato aditivado pela Prefeitura, Selco atrasa salário de funcionários

No Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande) da quinta-feira (20), o titular da Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação), Amilton Cândido de Oliveira, autoriza um aditivo de R$ R$ 738,5 mil ao contrato n.75/12, com a Selco Engenharia, empresa de Denis Simioli, elevando o valor para pouco mais de R$ 6 milhões.

A Selco Engenharia Ltda é a mesma empresa que teve funcionários flagrados tapando 'buracos fantasmas' durante as operações de tapa-buraco em Campo Grande, no ano passado. A empresa possui diversos contratos com o município.

De acordo com o processo, que culminou no bloqueio do bens, os atos de irregularidades aconteciam na contratação de pequeno grupo de empresas, originando danos que custaram ao erário mais de R$ 372 milhões até janeiro de 2015. Ao todo, foi calculado um prejuízo de R$ 22 milhões nos serviços e superfaturamento de 88% do valor cobrado pelas empresas

A empresa venceu cinco licitações da Prefeitura de Campo Grande no último mês erecebeu multa do governo do Estado, no valor de R$ 86,9 mil, por inexecução total de uma obra para qual tinha sido contratada, de acordo com uma publicação do Diário Oficial do Estado desta segunda-feira (3).

O telefone da empreiteira Selco não está ativo e por isso, o Jornal Midiamax não conseguiu contato com a empresa.

Jornal Midiamax