Cotidiano

Canoa Furada: barco a motor salva evento com Tocha Olímpica na Capital

Barco a motor teve de ser utilizado na travessia 

Midiamax Publicado em 25/06/2016, às 23h28

None
capa.jpg

Barco a motor teve de ser utilizado na travessia 

O índio Vanilson Farias Francisco, de 20 anos, acaba de fazer a travessia de barco do lago do Parque das Nações Indígenas, conduzindo a Tocha até o palco, onde uma pira foi acesa O gesto encerra percurso de 40 quilômetros feito em Campo Grande, anunciando a chegada dos Jogos Olímpicos e aconteceu com pequeno atraso, já que no cronograma oficial, o índio faria a travessia de canoa, mas ela estava furada.

Com a tocha em mãos, vestido com um cocar indígena e com rosto pintado conforme a tradição, Vanilson fez a travessia em barco a motor improvisado pela organização do evento. Apesar de pequeno atraso gerado pela canoa furada, o tempo foi recompensado na travessia a motor e tudo ocorreu dentro do prazo previsto.

Pouco antes de pegar a tocha, Vanilson se disse ansioso e feliz por participar do encerramento. “Não tenho palavras para expressar como é participar deste momento” disse. Terena da aldeia Água Boa, Vanilson foi prestigiado por mais 40 indígenas que vieram da aldeia para prestigiar o ato. Orgulhosa do filho, a mãe, Eliete Faria disse que o filho é um amante de futebol e deixou aldeia para fazer faculdade em Campo Grande. “Ele se esforçou muito, todos na aldeia tem orgulho dele”, disse.

Assim que atravessou a lagoa, Vanilson saiu correndo e repassou a tocha para o atleta de Trẽs Lagoas, Zequinha Barbosa, que acendeu a pira montada no palco. Logo em seguida, o fogo foi apagado e retornou em uma espécie de lamparina, onde fica armazenado. Agora ele segue para Sidrolândia.

Minutos antes da travessia, Admir Arantes, presidente da Associação de Canoagem de Mato Grosso do Sul, havia sinalizado que a escolha de uma canoa e um índio mantinha a representatividade olímpica. “A canoagem é um esporte olímpico e teve origem na cultura indígena”, explicou. O impasse com a canoa não atrapalhou os momentos finais da cerimõnia. Logo após acender a pira olímpica, Zequinha se emocionou e finalizou ato dizendo: “As Olimpíada é de todo povo brasileiro”. Assista  vídeo AQUI

Passagem da Tocha

Com pequeno atraso de cinco minutos, o revezamento da Tocha Olímpica começou às 13h20 percurso na avenida Duque de Caxias reunindo uma legião de telespectadores em Campo Grande. Destaque para a quantidade de famílias que foram ao local, especialmente para atender ao pedido das crianças.

Na avenida Spipe Calarge, muitos estudantes da Escola Municipal Professor Múcio Teixeira Junior esperaram ansiosos pela passagem da tocha, afinal duas alunas da instituição foram escolhidas para participar do evento em Campo Grande, após vencerem concurso de redação. Julia Veiga de 13 anos foi uma das alunas e relatou a emoção de carregar a tocha. “Foi muito legal, corri ao lado da primeira condutora. Foi um momento muito importante pra mim. Estou muito feliz por representar minha escola”.

Janete dos Anjos, irmã de Fernando dos Anjos, veio de Aquidauana para ver o símbolo sendo carregado pelo irmão. Fernando já foi diretor da Liga Esportiva e arbitro na cidade e trouxe toda família para vê-lo correr. “Muito emocionante a experiência”, relatou. Emoção basicamente era o discurso citado por praticamente todos os condutores da Tocha Olímpica.

O Rotary Club também organizou ação com triciclo para as crianças. Em geral, crianças, jovens e adultos acompanharam a passagem da tocha. Moradores ficaram em frente suas casas aguardando o símbolo das Olimpíadas.

Alguns protestos também marcaram a passagem da Tocha pela Capital. Movimentos sociais e grupos pró impeachment aproveitaram o evento atos contra a corrupção. As manifestações ocorreram de modo pacífico.

A Chama Olímpica chegou a Mato Grosso do Sul na noite da sexta-feira (24), no Aeroporto Internacional da Capital. Nesta manhã, seguiu para Bonito, a 230 quilômetros de Campo Grande. Depois, retornou à Capital, para o revezamento de 40 quilômetros. Agora a Tocha vai seguir por Sidrolândia, Maracaju, Rio Brilhante e Itaporã.

Amanhã (26), a Chama Olímpica chega a Dourados, a segunda maior cidade do Estado, onde vai percorrer diversas vias do município. O trajeto da Tocha Olímpica vai começar pela MS-156, na rotatória que dá acesso à Reserva Indígena.

Depois disso, o percurso recomeça no perímetro urbano na avenida Presidente Vargas, em frente ao Parque dos Ipês. A chama percorre ainda várias outras ruas e avenidas até chegar à praça Antônio João, onde a pira será acesa. O Show de Celebração contará com as atrações locais banda Trajeto 2 e Grupo Trancão.

A tocha vai seguir para as cidades de Nova Andradina e Bataguassu, na segunda-feira (27). O revezamento da Tocha Olímpica anuncia a chegada dos Jogos e dá início à maior celebração esportiva do mundo. Até o dia 5 de agosto, a chama Olímpica, irá passar por 327 cidades de todos os estados brasileiros, e no Distrito Federal.

Jornal Midiamax