Cotidiano

Agentes penitenciários aguardam notificação do TJ e não encerram greve

Será realizada assembleia

Renata Portela Publicado em 06/05/2016, às 14h16

None
foto4.jpeg

Será realizada assembleia

Na tarde de quinta-feira (5), a justiça concedeu tutela de urgência e declarou ilegal a greve dos agentes penitenciários de Mato Grosso do Sul. A decisão determina imediato retorno da categoria às atividades, sob pena de multa diária de R$ 50 mil, mas até o momento o sindicato não foi notificado.

O Sinsap-MS (Sindicato dos Agentes Penitenciários de Mato Grosso do Sul), ainda não foi notificado e convocou assembleia geral para as 14h30 desta sexta-feira (6). Será discutida a devolutiva da contraproposta ao Governo do Estado e definição se haverá continuidade da greve.

Segundo o presidente do sindicato, André Santiago, as atividades dos agentes foram paralisadas por falta de segurança dentro das cadeias. "A categoria precisa do apoio de todos, precisamos que o governo nos enxergue e tenha conhecimento das nossas insatisfações enquanto trabalhadores", afirmou o representante da categoria em nota.

Ilegalidade

De acordo com a justiça, os requerentes alegaram que foram informados no dia 27 de abril através de um ofício que os agentes penitenciários iriam paralisar as atividades a partir do dia 2 de maio, mas que consideram a paralisação ilegal por esta acontecer à véspera do dia da mães “quando há intensa atividade de visitação dentro dos presídios”, diz o documento.

Em um trecho do pedido feito pela Agepen, é destacado que a paralisação ocorre à véspera do dia das mães, momento de movimentação intensa nos presídios e cita ainda o corrido em maio de 2006, quando houve rebelião na Penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande e o detento Fernando Aparecido do Nascimento Eloy foi decapitado e esquartejado.

Jornal Midiamax