Cotidiano

Sem luz e combustível Solurb paralisa até coleta hospitalar nesta quarta-feira

A coleta domiciliar foi suspensa na última quinta-feira

Kemila Pellin Publicado em 20/10/2015, às 22h20

None
_mg_4593.jpg

A coleta domiciliar foi suspensa na última quinta-feira

A CG Solurb informou que a partir desta quarta-feira (21) a coleta de lixo hospitalar será suspensa, assim como os demais serviços prestados pela empresa, devido a falta de recursos para manter as atividades. Desde a última quinta-feira (15), a empresa tem mantido apenas o contingente mínimo de 25% nas ruas, porque alegar não ter combustível nos caminhões, e nem verba para quitar a dívida com os fornecedores.

Hoje a energia de três, dos quatro endereços da empresa na cidade, foi cortada, o que obrigou a concessionária a dispensar os funcionários. A informação foi confirmada pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Asseio e Conservação de Mato Grosso do Sul, Wilson Costa.

Ainda de acordo com a Solurb, para que o serviço seja retomado é necessário que a Prefeitura “coloque em dia os pagamentos em atraso que já somam mais de R$ 25 milhões”, ou que a Justiça libere os valores que estão sendo bloqueados no caixa do Executivo, relativo aos repasses exclusivos de ICMS e FPM.

Os bloqueios começaram no início do mês por determinação judicial e já somam aproximadamente R$ 4 milhões. Em momento anterior, a empresa afirmou que precisaria de pelos menos R$ 6.458.144,90, justificando o valor com tabelas de gastos e notas fiscais.

Esses documentos estão sendo auditados pela Prefeitura, que reforça a liberação da verba mediante conclusão dos relatórios.

A Solurb ainda comentou sobre a possibilidade de uma segunda empresa ser contratada emergencialmente para assumir os serviço de coleta, dizendo que não foram notificados disso pela Prefeitura, e que o contrato de concessão prevalece a qualquer outro interesse que não seja ao de prestar os serviços com qualidade, e que a medida contrariaria a LDO do município.

O prefeito Alcides Bernal afastou qualquer possibilidade disso acontecer, dizendo que vai tentar uma solução na Justiça. "Eu não penso em contratar outra empresa, nós vamos esgotar a defesa do nosso municípios no Judiciário", disse nesta terça-feira (20).

Com a suspensão dos serviços de coleta de lixo domiciliar, deixam de ser coletadas diariamente, cerca de 800 toneladas de lixo domiciliar e comercial.

Jornal Midiamax