Cotidiano

Plantonistas reclamam de ‘racionamento’ de comida em unidades de saúde

Cardápio em quantidade restrita deve ser apurado pela Sesau

Midiamax Publicado em 25/04/2015, às 16h12

None
comida_sesau.jpg

Cardápio em quantidade restrita deve ser apurado pela Sesau

Servidores plantonistas de unidades de saúde de Campo Grande estão reclamando de racionamento na alimentação fornecida durante os plantões. A novidade vem depois de a Prefeitura anunciar cortes no número de funcionários que preenchem as escalas.

Funcionários de unidades de saúde, que não querem ser identificados, afirmam que, desde o início da semana, estão proibidos de servir os próprios pratos no buffet contratado para atender postos de saúde. Também afirmam que não podem servir uma segunda vez.

Até então, conforme a denúncia, os próprios servidores se serviam e não havia restrições na quantidade da alimentação. Agora, dizem, funcionários da empresa contratada para fornecer a alimentação é que servem a comida, em quantidade limitada e por uma única vez.

Um dos servidores ouvidos pela reportagem se disse indignado com a novidade. Ao questionar um funcionário da empresa que fornece a comida, disse a fonte que foi informada de que se tratava de orientação de um superior, pois estaria havendo falta de comida em algumas unidades.

O mesmo servidor garante não ter havido, por parte de superiores da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), aviso ou orientação sobre a mudança na forma de servir a comida nos plantões. No cardápio deste sábado (25), por exemplo, havia arroz e feijão liberados, mas o estrogonofe era restrito a uma concha por funcionário – o conteúdo do cardápio foi registrado em foto feita por plantonista em uma unidade de saúde.

A Sesau e o chefe da pasta, Jamal Salem, foram procurados, já no começo desta tarde, para falar sobre o assunto. O secretário não atendeu aos telefones, mas, segundo a assessoria de imprensa do órgão, não há informação sobre qualquer racionamento ou restrição à alimentação fornecida aos servidores.

No entanto, a fonte oficial da Sesau afirmou que, na próxima segunda-feira (27), irá apurar a procedência da denúncia. Também recomendou a quem se sentir lesado que avise formalmente, mesmo sem identificação, a Ouvidoria do Município.

Em se confirmando eventual má conduta por parte da empresa, a Sesau pode rever o contrato com a empresa responsável pelo serviço, a Real Food. Esta, por sua vez, foi procurada, por telefone, mas a pessoa que atendeu, identificando-se como porteiro, disse que somente na próxima semana algum responsável poderia ser encontrado no local para comentar o assunto.

Jornal Midiamax