Cotidiano

Chuva continua no sul e cidades ficam sem água e sob o risco de deslizamentos

Em Coronel Sapucaia, alunos não conseguem chegar às escolas

Wendy Tonhati Publicado em 26/11/2015, às 14h46

None
clima.jpg

Em Coronel Sapucaia, alunos não conseguem chegar às escolas

Depois do temporal que atingiu que várias cidades no começo da semana, ainda chove nesta quinta-feira (26) na região sul do Estado. Em Tacuru, a chuva forte continua caindo e há o risco de deslizamento da MS-260.

Em Coronel Sapucaia, o abastecimento de água foi interrompido, após duas bombas serem danificadas. Na zona rural do município, as estradas estão intransitáveis e os alunos não conseguem chegar as escolas. A Defesa Civil divulgou que 15 cidades já foram atingidas e que havendo necessidade, o Governo irá decretar situação de emergência nas cidades afetadas.

Conforme o Paulo Pedro Rodrigues, prefeito de Tacuru, cidade a 416 quilômetros de Campo Grande, a situação ainda é preocupante. "Além dos estragos da chuva, ainda há o problema social, das pessoa que conseguem trabalhar, os chamados diaristas, que fazem a prestação de serviço em diversas atividades do campo e da cidade". Há pelo menos dez pontes encobertas pela água no município e a MS-160 continua interditada por conta de uma grande erosão. De acordo com o prefeito, 25 famílias ribeirinhas estão sendo observadas por conta do risco de desmoronamento. "Defesa Civil está alerta e a Defesa Civil do estado também mandou equipes para acompanhar a situação", diz o prefeito.

Em Coronel Sapucaia, a 380 quilômetros da Capital, os moradores ficaram sem água, internet e sem luz. De acordo com a assessoria de imprensa do município, o abastecimento de luz foi reestabelecido, mas a água continua sem chagar às casas dos moradores. Com a tempestade, duas bombas da Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul) ficaram danificadas. Uma foi arrastada na enxurrada e outra, soterrada. Equipes da empresa trabalham nesta quinta para fazer o reparo. Ainda chove na cidade. 

De acordo com a Defesa Civil, por enquanto, 15 cidades (Tacuru, Juti, Amambai, Coronel Sapucaia, Sete Quedas, Paranhos, Jateí, Iguatemi, Naviraí, Ivihema, Caarapó, Fátima do Sul, Mundo Novo, Dourados e Eldorado) foram atingidas, mas se a chuva continuar, outras áreas, como a região sudeste do Estado, poderão sofrer com a chuva.

Havendo necessidade, o Governo irá decretar situação de emergência nas cidades afetadas. Com essa determinação, os municípios, por intermédio do Governo, poderão solicitar do Governo Federal recursos para reconstruir os pontos atingidos.

As rodovias, MS-295, que liga Tacuru a Iguatemi, e a MS-160, entre Sete Quedas e Tacuru, também foram atingidas. Uma cratera foi aberta com a força da água no quilômetro 1 da MS-160  e no quilômetro 8 da  MS-295

Previsão

Chuva continua no sul e cidades ficam sem água e sob o risco de deslizamentosA previsão é de mais chuva nos próximos dias. Em Sete Quedas, só em novembro, já foram registrados 367 milímetros de precipitação. O valor, atualizado até às 8 horas desta quarta-feira, corresponde a 98% do limite histórico para o período, que era de 185,4 milímetros. O Governo do Estado não descarta a possibilidade de decretar situação de emergência nas cidades afetadas.

Em situação também alarmante estão as cidades de Amambai, Juti e Itaquiraí, onde o volume de chuva está bem acima do esperado para o mês. Em Itaquiraí, a Defesa Civil já registrou 330 milímetros no acumulado de novembro. O número supera em 108,6% a precipitação máxima já historiada, que era de 158,4 milímetros.

Jornal Midiamax