Cotidiano

Até a boca não: abastecer acima do limite pode custar caro

Encher 'demais' o tanque pode causar contaminação tóxica e cancerígena

Midiamax Publicado em 09/06/2015, às 18h59

None
download_1.jpg

Encher ‘demais’ o tanque pode causar contaminação tóxica e cancerígena

Nada de “até a boca”. A campanha “Não passe do limite – Complete o tanque só até o automático” voltou a ser divulgada pelo Sinpospetro/MS (Sindicato dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Mato Grosso do Sul), que orienta os frentistas e consumidores a não abastecer acima do limite.

A intenção é evitar a contaminação de frentistas, consumidores e demais funcionários de postos de combustíveis, com o benzeno, substância química presente nos combustíveis, considerado altamente tóxico e cancerígeno.

A campanha teve início em outubro e está amparada pela Lei Estadual Nº 4.574, de 24/09/2014, que dispõe sobre a condição de abastecimento de veículos automotores, proibindo abastecimento após acionado a trava automática de segurança das bombas.

Na manhã desta terça-feira (9) diretores do Sinpospetro/MS percorreram vários postos de Campo Grande, distribuindo panfletos educativos sobe o assunto e conversando com consumidores e funcionários de postos sobre os perigos do benzeno e a necessidade de se obedecer à legislação.

Segundo o sindicato, o objetivo é conscientizar a todos que quando o tanque é abastecido apenas até o automático, a chance do componente sair em forma de vapor é reduzida..

O Sinpospetro vai passar ainda pelas grandes cidades do Estado, como Dourados, Corumbá, Três Lagoas, Maracaju, Ponta Porã, São Gabriel do Oeste, Sonora e outras.

A campanha

O objetivo da campanha, originalmente criada pela Secretaria de Saúde do Estado do Paraná, é discutir os perigos para a saúde dos trabalhadores que possuem contato com o benzeno, como os que laboram em postos de gasolina, em oficinas mecânicas, abastecedores de caminhões de combustíveis, e dos consumidores, cuja exposição, apesar de pequena, também é significativa, considerando que não há níveis seguros de exposição ao produto.

A intoxicação por benzeno, por inalação de gases ou aspiração de formas líquidas, pode causar bronquite, dificuldades respiratórias e até bronquiolites graves, com hemorragia, inflamação e edema pulmonar, podendo levar à morte. O cérebro e o fígado também podem ser atingidos. A Organização Mundial de Saúde inclui o benzeno em sua lista de produtos cancerígenos.

Abastecer o tanque “até a boca” prejudica o veículo. O combustível excedente é armazenado no canister, dispositivo feito para absorver vapores durante o processo de abastecimento. Quando o canister entra em contato com combustível na forma líquida, ocasiona falhas no motor, risco de queima da bomba de combustível, danos à pintura e desperdício.

Jornal Midiamax