Cotidiano

Chuvas e trovoadas permanecem até o final do feriado em Três Lagoas

Segundo dados meteorológicos, apesar da mudança no clima, as temperaturas não sofrerão queda brusca.

Arquivo Publicado em 14/11/2011, às 23h14

None
773910753.JPG

Segundo dados meteorológicos, apesar da mudança no clima, as temperaturas não sofrerão queda brusca.


Em Três Lagoas, a previsão é de que o tempo permaneça nublado, com fortes pancadas de chuva, até o final do feriado pela Proclamação da República, nesta terça-feira (15). Segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), vinculado ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o sol deve voltar a brilhar somente na quarta-feira (16).



Nesta manhã de segunda-feira (14), pouquíssimas pessoas lutaram contra o mau tempo e se aventuraram pelas ruas do centro da Cidade. A quantidade de raios e trovoadas provocou medo e receio na população, que ainda não esqueceu o temporal de 2010, ao qual devastou Três Lagoas, causando destruição em diversos bairros.



Para a vendedora, Carmen Luzia Espinelli, foi preciso vencer um extenso lamaçal e inúmeras poças de água para chegar ao trabalho neste primeiro dia da semana. “Muita gente sofre nesses dias de chuva para garantir o dia de trabalho. Principalmente quem mora nas ruas sem asfalto. Nesses locais, que ainda são a maioria na cidade, é necessário coragem para enfrentar chuva, raio e poças que mais parecem rios”, desabafou.



De acordo com o CPTEC, apesar da chuva, a temperatura não sofrerá queda brusca, ficando entre 19° e 25°. Entretanto, a redução de alguns graus Celsius, por outro lado, representa alívio para os moradores, que vinham enfrentando calor acima dos 32°.


“Apesar da chuva atrapalhar esse feriado prolongado, o tempo fica mais fresco. O que por si é um benefício para o três-lagoense. Tivemos uma semana de intenso calor e sol escaldante. O jeito agora é mudar os planos de lazer e aproveitar para ficar mais juntinho com a família, dentro de casa. Até para namorar fica mais gostoso nesse tempinho”, observou e riu o caminhoneiro, Odonaldo Freitas.  

Jornal Midiamax