Brasil

Paciente morre após receber ‘mata-leão’ e ser levado à força para clínica de recuperação

Caso é investigado pela polícia e três pessoas já foram presas

Gabriel Neves Publicado em 10/05/2021, às 11h15

Paulo César Basso foi levado para o hospital, mas já chegou morto.
Paulo César Basso foi levado para o hospital, mas já chegou morto. - (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Paulo César Basso, 30 anos, morreu na última sexta-feira (7) ao ser levado à força para uma clínica de recuperação para dependentes químicos em Votuporanga (SP). O caso é investigado pela polícia e três funcionários foram presos e serão investigados por homicídio.

Conforme publicado no portal UOL, os funcionários alegam que o serviço foi solicitado por familiares da vítima, já no local, Basso estaria muito alterado e por conta disso os funcionários teriam aplicado um ‘mata-leão’ no paciente, além de amarrar seus pés e mãos.

Desacordada, a vítima teria sido colocada no carro e levada para Votuporanga. Conforme a investigação, a equipe médica da clínica só notou que o homem não estava bem quando ele chegou ao local. Depois, Basso foi levado para a Santa Casa da cidade, mas já chegou morto. Por causa disso, acredita-se que houve excesso na abordagem.

Em conversa com o portal UOL, familiares da vítima, que preferiram não serem identificados, pediram por justiça. “Ele não era violento. O Paulo ficava isolado quando usava [drogas]. Inclusive, ele ajudava muito todo mundo e fazia tudo o que estava ao alcance dele”.

Os funcionários deram outra versão sobre os fatos, alegando que a clínica foi contratada pela família, e, ao chegarem, viram o paciente alterado, o que os obrigou a recorrer ao uso da força. O trio também disse que Basso foi medicado por um familiar.

"Foi feito o exame necroscópico e ainda não existe o laudo", afirmou Murilo Ferreira, advogado da clínica e dos três funcionários.

Jornal Midiamax