Brasil

'Não fui comunicado', diz chefe da PF no AM demitido após denunciar ministro

Corporação diz que o delegado foi comunicado da substituição

Estadão Conteúdo Publicado em 16/04/2021, às 17h32

None
Divulgação/PF

O delegado Alexandre Saraiva, atual chefe da Polícia Federal no Amazonas, afirmou na quinta, 15, ao Estadão que 'não foi comunicado' sobre a troca no comando da superintendência: "Só tem duas formas de me comunicar oficialmente - ou meu chefe me liga, pelo principio da hierarquia, que é o diretor-geral, ou publicação no Diário Oficial".

O novo diretor-geral da corporação, Paulo Maiurino, decidiu trocar o superintendente no AM nesta quarta, 14, mesmo dia em que Saraiva enviou ao Supremo Tribunal Federal uma notícia-crime contra o ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles. A corporação diz que o delegado foi comunicado da substituição no decorrer da tarde.

Saraiva afirmou ao Estadão que recebeu a ligação de um 'amigo' perguntando se ele aceitaria uma adidância. "Isso nem de longe é informar que vou sair. Não disse nem quando nem onde", disse.

Troca

A decisão sobre a troca ocorreu nesta quarta, 14, mesmo dia em que Saraiva enviou ao Supremo Tribunal Federal notícia-crime contra o ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles por obstrução de investigação ambiental, organização criminosa e favorecimento de madeireiros. A justificativa é a de que o delegado já havia sido comunicado sobre a mudança.

Não há definição sobre o novo cargo que Saraiva irá assumir, mas o atual chefe da PF no Amazonas teria sido convidado para ir para uma missão no exterior - e ainda não teria decidido sobre o assunto.

O sucessor de Saraiva, Almada, já atuou como número 2 do atual chefe da PF no Amazonas e já foi responsável pelo grupo de investigações ambientais sensíveis na superintendência.

Saraiva está há quatro anos na chefia da PF da Amazonas e já houve ensaios para sua saída da superintendência. O delegado foi o pivô da primeira crise entre o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro e o presidente Jair Bolsonaro, em 2019.

Na ocasião, após Bolsonaro antecipar a saída do delegado Ricardo Saadi da superintendência da PF no Rio e a corporação indicar que o chefe da unidade fluminense seria Carlos Oliveira para a vaga, Bolsonaro afirmou que 'ficou sabendo' que Saraiva, próximo dos filhos do presidente, iria assumir o posto na superintendência.

Jornal Midiamax