Brasil

Guedes defende “vale-creche” e imposto para transações bancárias pelo celular

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender que o governo deverá criar um sistema de “vale-creche” no próximo ano. A ideia seria permitir que as famílias, com pouca situação financeira e que não conseguiram vagas nas instituições públicas, possam matricular suas crianças em creches particulares. “Vem aí o voucher para creche para crianças. O […]

Dândara Genelhú Publicado em 19/12/2019, às 09h37

Foto: Reprodução/ Agência Brasil
Foto: Reprodução/ Agência Brasil - Foto: Reprodução/ Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender que o governo deverá criar um sistema de “vale-creche” no próximo ano. A ideia seria permitir que as famílias, com pouca situação financeira e que não conseguiram vagas nas instituições públicas, possam matricular suas crianças em creches particulares.

“Vem aí o voucher para creche para crianças. O maior impacto do investimento público é na educação, é na infância. Vem aí programas grandes de impacto lá embaixo”, disse o ministro durante uma coletiva. No mesmo evento, Guedes defendeu a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do Pacto Federativo, proposta do governo para descentralizar o orçamento.

Assim, se aprovada esta PEC, os estados e municípios terão autonomia para direcionar os investimentos repassados pelo governo de acordo com as necessidades locais. De acordo com o ministro, a proposta vai liberar R$ 450 bilhões a estados e municípios nos próximos 8 anos.

A última defesa apresentada por Guedes durante a coletiva foi para a criação de um imposto que seria cobrado a cada transação financeira. “É semelhante à CPMF, e pega uma curva ascendente na utilização de meios digitais, como o celular, para pagamentos de contas. Os bancos e especialmente as fintechs têm investido nisso. Será mais um tributo para a sociedade”, explicou.

Jornal Midiamax