Brasil

O que se sabe sobre a queda do avião em que estava Teori Zavascki

Aeronave transportava quatro pessoas

Diego Alves Publicado em 19/01/2017, às 21h41

None
destrocos-de-aviao-que-caiu-em-paraty-no-rio-de-janeiro-1484858692546_615x300.jpg

Aeronave transportava quatro pessoas

O ministro Teori Zavascki e mais duas pessoas morreram na queda de um avião, nesta quinta-feira (19), no litoral de Paraty, na região sul do Estado do Rio de Janeiro. Ainda não se sabe as causas do acidente. Veja o que já se sabe até agora sobre a tragédia:

Quem estava no avião

A aeronave transportava quatro pessoas. Até o momento, foi confirmado que o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki e Carlos Alberto Fernandes Filgueiras, dono do avião e do hotel Emiliano, em São Paulo, estavam a bordo. Nem a FAB (Força Aérea Brasileira) nem os Bombeiros informaram o nome de todos que estavam a bordo.

Alguém sobreviveu?

De acordo com a corporação, três pessoas foram retiradas sem vida da aeronave e não há outras informações sobre o quarto passageiro do avião.

Como foi o acidente

Segundo a assessoria de imprensa da FAB, o avião de modelo Beechcraft C90GT, prefixo PR-SOM, saiu do aeroporto Campo de Marte, em São Paulo, às 13h (horário de Brasília). De acordo com funcionários do aeroporto de Paraty, a aeronave caiu no mar por volta das 13h30, momento em que chovia na região.

O aeroporto de Paraty teria dado a permissão para o pouso da aeronave. No entanto, a instabilidade do tempo poderia ter prejudicado a aterrissagem do avião, que caiu a 2 km da pista do aeroporto.

A baixa visibilidade, causada pela chuva, pode ter contribuído para a queda do avião. O aeroporto de Paraty não conta com equipamentos para pouso por instrumentos. Assim, o piloto precisa se localizar e fazer toda a aproximação por meio de contato visual com a pista.

De acordo com os regulamentos de tráfego aéreo brasileiro, o pouso visual só pode ser feito com uma visibilidade horizontal mínima de 5 km e teto de 300 metros. Se as condições do tempo estiverem pior do que esse mínimo, os pousos não podem ser feitos.

No caso do aeroporto de Paraty, no entanto, não é possível determinar com precisão quais eram as condições de teto e visibilidade no momento do acidente. O aeroporto não tem torre de controle, tampouco uma estação meteorológica.

Nesse casso, a decisão sobre se há condições ou não para o pouso cabe ao piloto do avião.
A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil)  informou que o avião da Emiliano Empreendimentos e Participações Hoteleira estava regular.

Jornal Midiamax