Brasil

Padilha pede demissão do advogado-geral da União

Medina Osório teria se tornado 'insustentável' no cargo

Norberto Liberator Publicado em 09/09/2016, às 12h29

None
eliseupadilha.jpg

Medina Osório teria se tornado 'insustentável' no cargo

O advogado-geral da União, Fábio Medina Osório, pode deixar o cargo nos próximos dias devido a conflitos internos. Ele não foi notificado pelo presidente Michel Temer (PMDB), mas teria recebido aviso do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, Padilha convocou Osório para seu gabinete e pediu que ele se demitisse de seu cargo, por “não atuar em compasso” com o governo Temer. Segundo informações apuradas pela Folha, um dos motivos apontados pelo ministro foi o pedido do advogado para ter acesso aos inquéritos de investigados na Lava Jato, sem avisar o presidente.

Assessores de Osório citados pelo periódico paulista afirmam que isso incomodou o governo. O chefe da AGU teria dito, em resposta a Padilha, que só deixa o cargo se Temer o demitir pessoalmente. A situação do advogado teria ficado insustentável depois de ele demitir Luís Carlos Martins Alves Júnior, um de seus adjuntos.

O fato se deu porque, segundo a reportagem da Folha, Alves acredita que a AGU deve ficar distante de processos de políticos na operação, e que sua função se limitaria a defender o patrimônio público. Nos bastidores, comenta-se que a saída de Osório já é certa.

O jornal O Estado de S. Paulo ressalta que o advogado teria supostos problemas internos na AGU (Advocacia-Geral da União) e dificuldade de diálogo com os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), além de sugerir estratégias ineficientes na substituição do presidente da EBC (Empresa Brasil de Comunicação), órgão estatal de imprensa.

Ele teria sido alvo de queixas levadas ao Planalto e, de acordo com uma fonte do 'Estadão' próxima a Temer, “não é possível” deixar o cargo em “situação tão delicada”.

Jornal Midiamax