Brasil

Grupo “eco-extremista” reivindica autoria de explosão em estacionamento de Brasília

Panela de pressão explodiu em frente a shopping na segunda

Norberto Liberator Publicado em 04/08/2016, às 14h22

None
201c1xkjazkkkkiniffats7x5.jpg

Panela de pressão explodiu em frente a shopping na segunda

Depois de uma panela de pressão ser detonada no estacionamento de um shopping de Brasília, na segunda-feira (1º), e levantar hipótese de atentado terrorista, um grupo que se apresenta como “eco-extremista” reivindicou a autoria por meio de uma nota na internet.

Intitulado “Décimo Primeiro Comunicado de Individualistas Tendendo ao Selvagem”, o texto publicado pela Sociedade Secreta Silvestre/ITS-Brasil (SSS/ITS), no blog “Maldición Eco-Extremista”, afirma que o grupo declara “guerra aos hipercivilizados e seu mundo morto de concreto e aço”.

“As autoridades brasileiras se prepararam o quanto puderam contra os extremistas do ISIS e até mesmo prenderam uma de suas células aqui no Brasil, mas não esperavam por nós eco-extremistas”, prossegue o texto, assinado por uma conta intitulada “Malditos salvajes”.

A postagem diz que a SSS/ITS-Brasil aproveitou as Olimpíadas para “dar as caras”. O grupo diz que “assume a responsabilidade pelo atentado em frente ao shopping Conjunto Nacional, realizado no centro da capital do Brasil, num movimentado setor” e que teria plantado “explosivo de fragmentos com três quilos de pólvora negra num recipiente de panela de pressão”.

O texto prossegue a reivindicação de autoria, dizendo que os autores “desapareceram nas sombras” e que teriam, de longe, “observado enquanto o vento soprava levemente confrontando a cacofonia urbana”. O autor ainda alega que “é apenas o começo da guerra eco-extremista” e que a “única lei que seguem é a da natureza selvagem”.

O grupo, que se apresenta como defensor “extremista da natureza selvagem”, alega ter como inimigos “a civilização em sua totalidade e o progresso humano” e diz que deve praticar atos terroristas “sem garantia alguma de que não caiam inocentes”. A nota afirma que os militantes são “feras selvagens, delinquentes e incivilizadas”, além de “terroristas amorais”.

O autor finaliza dizendo que deve seguir “adiante com fogo, balas e bombas pelo selvagem e contra a civilização”, em favor da “defesa extremista da natureza selvagem”. Ele saúda o que diz serem células do grupo em outros países da América Latina, como México e Chile, e deixa recado aos supostos parceiros: “Sejamos perigosos”.

Jornal Midiamax