Brasil

Cunha e esposa dizem não que não têm medo de ser presos na Lava Jato

Em entrevista, eles negam envolvimento em esquemas

Norberto Liberator Publicado em 12/09/2016, às 12h49

None
cunhaeclaudiacruz.jpg

Em entrevista, eles negam envolvimento em esquemas

O ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e sua esposa Cláudia Cruz declararam que não têm medo de ser presos na Lava Jato, em entrevista ao jornalista Roberto Cabrini, que foi ao ar no programa 'Conexão Repórter' do último domingo (11), no SBT.

Cunha negou ter recebido propina ou atrapalhado investigações da operação. “Não tenho esse medo”, disse em relação a uma eventual prisão no âmbito da Lava Jato.

Ele foi afastado de seu cargo por ter declarado em depoimento que não possuía contas no exterior. Mais tarde, o Ministério Público da Suíça afirmou em documento que ele tem contas naquele país.

Sua esposa, a jornalista Cláudia Cruz, também disse a Cabrini que não teria o que temer. “Não fiz nada para ser presa. Esse é um medo que não tenho”, afirmou. Ela é ré em processo por lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Cláudia teria usado contas que receberam propina para custear suas viagens e objetos de luxo.

Sobre as compras, a jornalista disse que é algo natural. “Qual mulher que não faz uma compra independentemente do valor da compra e aonde seja a compra? Não precisa ser uma loja de luxo, pode ser em uma loja popular. Você faz a compra de acordo com sua condição financeira. Estão me usando de bode expiatório. Todas as mulheres da minha condição financeira fazem”.

Cunha revelou que conversou diversas vezes, durante o processo, com o presidente Michel Temer. No entanto, não quis detalhar o conteúdo dos contatos que teve com o correligionário. “Conversa com presidente a gente não revela, a não ser que isso parta dele”.

Sobre o processo que terminou no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o peemedebista afirmou que não se considera responsável direto. “Sinto que cumpri minha obrigação, na medida em que houve uma denúncia. Mas foram o coletivo da Câmara e do Senado Federal que decidiram afastar a presidente”, disse.

Jornal Midiamax