Brasil

Recarga de R$ 12 milhões aparece em Bilhete Único de estagiário em SP

Alex Lee Pereira, no entanto, não conseguiu mais utilizar o bilhete

Gerciane Alves Publicado em 16/01/2015, às 10h41

None
bilhete.jpg

Alex Lee Pereira, no entanto, não conseguiu mais utilizar o bilhete

O estagiário Alex Lee Macedo Pereira, de 21 anos, vivenciou uma experiência única ao tentar fazer uma simples recarga do seu Bilhete Único na segunda-feira (12). O bilhete não era de loteria, mas, de uma hora para outra, passou a valer mais de R$ 12 milhões. Ganhou, mas não levou, no entanto.

Pereira contou que, na segunda-feira, depois de 15 dias de recesso, foi recarregar o Bilhete Único com o valor do vale-transporte fornecido pela empresa onde faz estágio em uma destas máquinas automáticas amarelas disponíveis em estações de trem e metrô. “Apareceu um número enorme na tela, mas nem dei bola no momento”, contou.

Em seguida, se dirigiu a uma cabine de recarga do Bilhete Único para saber o valor total disponível. Ao receber o papelote com o saldo, a surpresa: um total de R$ 12.779.650,20. Para gastar todo este montante, utilizando o bilhete em apenas dois embarques por dia, Alex levaria mais de 17.500 anos. “A atendente me recomendou ir a um posto da SPTrans, porque o meu bilhete estava com problema”, disse.

Ao tentar usar o bilhete, no entanto, o estagiário teve outra surpresa, esta bem desagradável. “Dizia que o cartão não funciona ou algo do tipo”, revelou. O jeito foi pagar a passagem em dinheiro.

“Na SPtrans, em Santana (Zona Norte), na segunda, a mulher deu risada do valor, mas disse que estava sem sistema e que não podia fazer nada. Só consegui cancelar o Bilhete Único na terça-feira (13). E até agora não recebi o novo”, lamentou.

A SPTrans esclareceu, por meio de nota, que o cartão não foi recarregado com o valor de R$ 12 milhões, mas que, na verdade, teria apresentado um problema técnico durante o processo de recarga.

“Como resultado deste problema, o sistema gravou uma mensagem no bilhete que, quando lida pelas máquinas de consulta, aparece em formato numérico. Esse número não é o saldo disponível no cartão”, alegou.

Segundo a SPTrans, o bilhete com defeito já foi entregue pelo usuário e será analisado pelos técnicos da SPTrans para identificar o problema. “Este tipo de defeito é bastante raro. Há registro de um caso por ano”, garantiu.

A SPTrans informou ainda que todos os cartões que apresentam problemas técnicos são substituídos gratuitamente por novos e o saldo existente é carregado integralmente no novo bilhete, sem prejuízo ao usuário. “Assim, o Sr. Alex terá seus créditos restituídos”, completou. O estagiário estima que dispõe de um saldo de cerca de R$ 150 no Bilhete Único.

Jornal Midiamax