Le Blog Maria Antonia

“Kaiser Karl”, imperador, como a revista Vanity Fair lhe chama, já não tem muito a provar.

A Chanel estava sem rumo quando ele chegou ao poder da mais famosa maison de luxo francesa e, há 35 anos leva a visão de Coco Chanel mais além. Muito do que conhecemos e amamos da Chanel existe por causa de Lagerfeld. A elegante camélia como acessório, a icónica Boy Bag e até o próprio […]

Maria Antonia Naegele Publicado em 10/09/2018, às 14h11

 Chouppette, sua gata, misturada as correspondências de felicitações a Karl Lagerfeld pela passagem de seu aniversário. Foto:Reprodução/Divulgação
Chouppette, sua gata, misturada as correspondências de felicitações a Karl Lagerfeld pela passagem de seu aniversário. Foto:Reprodução/Divulgação - Chouppette, sua gata, misturada as correspondências de felicitações a Karl Lagerfeld pela passagem de seu aniversário. Foto:Reprodução/Divulgação

A Chanel estava sem rumo quando ele chegou ao poder da mais famosa maison de luxo francesa e, há 35 anos leva a visão de Coco Chanel mais além. Muito do que conhecemos e amamos da Chanel existe por causa de Lagerfeld. A elegante camélia como acessório, a icónica Boy Bag e até o próprio logo composto por dois Cs entrelaçados foram reincorporados durante a década de 1980, no reinado de Karl. Karl Lagerfeld cria anualmente seis coleções para a Chanel, duas para a italiana Fendi, da qual é diretor criativo há mais de 50 anos, e duas para a sua própria Karl Lagerfeld, que fundou em 2004. Como se estas dez coleções não fossem suficientes, Karl desdobra-se em outros papéis, fotografando campanhas de moda e editoriais, realizando curtas-metragens, desenhando apartamentos de luxo no Dubai ou criando colaborações tão inusitadas como uma coleção de lápis para a Faber-Castell, um modelo para a Rolls Royce ou uma edição especial da Coca-Cola… Diet, claro.

Karl é conhecido por não ter papas na língua, e sempre causar polêmica! Vamos relembre frases polêmicas do estilista.

– “O que eu faço, Coco Chanel odiaria. Eu tive que ir do que a Chanel era, para o que ela deveria ser.”

– “Eu acho tatuagens horríveis. É como viver em um vestido Pucci o tempo todo.”

– “Moletons são um sinal de derrota. Você perdeu o controle da sua vida, então compra uma calça de moletom.”

– “Se tem algo de perigoso nessa vida, é molho.

– ”Eu crio assim como eu respiro. Você não pede para respirar. Isso simplesmente acontece.”

– ” Nunca saio sem meus característicos óculos escuros, eu gosto é de observar e não de ser observado.”

– “O luxo é a liberdade de espírito, a independência, resumindo, o politicamente incorreto.” – “Moda é uma linguagem que se cria em roupas para interpretar a realidade.”

“Kaiser Karl”, imperador, como a revista Vanity Fair lhe chama,  já não tem muito a provar.
Chouppette, sua gata, misturada as correspondências de felicitações a Karl Lagerfeld pela passagem de seu aniversário. Foto:Reprodução/Divulgação

O designer revelou-se oposto aos movimentos contra o assédio sexual em Hollywood e na indústria da moda. “Estou cansado disso”, disparou a respeito da MeToo. – “Fico chocado em saber que demorou vinte anos para as pessoas lembrarem do que aconteceu e começarem a denunciar. Sem mencionar o fato de que não existem testemunhas para nenhuma dessas acusações.” – “Uma garota reclama que alguém puxou suas roupas íntimas e imediatamente essa pessoa perde a sua profissão? Acho que estamos delirando. Se você não quer que isso aconteça, não seja modelo. Melhor ir para um convento”. Para finalizar, uma das frases que mais ilustram seu humor ácido e inteligente, rs.

“Kaiser Karl”, imperador, como a revista Vanity Fair lhe chama,  já não tem muito a provar.

Jornal Midiamax