Variedades / Saúde

Surto de febre amarela é o pior do Brasil há quatorze anos

70 casos da doença já foram confirmados

Joaquim Padilha Publicado em 25/01/2017, às 13h34

None
vacinasfebreamarela.jpg

70 casos da doença já foram confirmados

Há quatorze anos que o Brasil não registrava tantos casos de febre amarela. Até terça-feira (24), o número de casos confirmados da doença era de 70, quando em 2003 foram confirmados 64 pacientes com febre amarela.

Desses casos, 40 mortes causadas pela doença foram confirmadas. Ainda são investigados outros 364 casos de pacientes enfermos, além de 49 óbitos em todo o Brasil que podem estar ligados à frebre.

O surto da febre amarela em 2003 também foi mais tímido territorialmente. Naquele ano, Minas Gerais tinha 20 municípios com casos confirmados da doença, enquanto em 2017 já são 40 cidades afetadas pela febre.

O infectologista André Siqueira, da Fundação Oswaldo Cruz, acredita que a maior circulação do vírus se deve em partes pelo desmatamento e por mudanças climáticas, que favoreceram a proliferação do mosquito transmissor da doença.

No total, 60 cidades em todo o país já relataram casos suspeitos da febre, nos estados de Espírito Santo, Bahia e São Paulo. Tanto Minas quanto São Paulo fazem divisa com Mato Grosso do Sul.

Mato Grosso do Sul

No Estado, há suspeita de que a febre amarela tenha causado a morte de quatro macacos silvestres em Aparecida do Taboado, a 476 quilômetros de Campo Grande, na divida com SP e MG.

Os macacos foram encontrados em decomposição na mata por moradores da cidade, o que impediu que testes determinassem se os animais morreram por conta da doença ou não.

O resultado de exames feitos pela Secretaria Municipal de Saúde de Aparecida do Taboado deve ser divulgado nesta quarta-feira (25). Especialistas também irão vistoriar a região e capturar macacos para que novos exames sejam feitos.

O governo de Mato Grosso do Sul possui um estoque de 60 mil vacinas contra febre amarela para atender os 79 municípios do Estado. O último caso de febre amarela confirmada na região data de 2015.

(sob supervisão de Ludyney Moura)

Jornal Midiamax