Variedades / Saúde

Catarinense com suspeita de febre amarela passou por várias cidades de MS

Ele viajava a trabalho e esteve em Bonito

Midiamax Publicado em 30/01/2017, às 19h01

None
vacina-contra-febre-amarela_20251_l.jpg

Ele viajava a trabalho e esteve em Bonito

Não vacinado e caminhoneiro, o paciente de Santa Catarina que esteve internado em Blumenau e está com suspeita de febre amarela, passou por diversas cidades de Mato Grosso do Sul enquanto esteve no Estado. A informação é da diretora de Vigilância Epidemiológica de Blumenau, Ivonete dos Santos. Ela explica que além de Mato Grosso do Sul – em Bonito, de acordo com ela, ele tomou banho de rio – o caminhoneiro, de 39 anos passou por Mato Grosso e por São Paulo.

"Como ele é caminhoneiro, ele veio descendo. Veio descendo de Mato Grosso do Sul, passou por São Paulo", contou ela. "Ele só repassa que ele tomou banho em Bonito, e que depois já veio um pouco debilitado e chegou em São Paulo, e depois essa situação toda", complementou. Inicialmente, a SES (Secretaria Estadual de Saúde) de Mato Grosso do Sul havia informado que ele apresentou os primeiros sintomas em Santa Catarina, no dia 15 de janeiro.

O caminhoneiro já teve alta – também foi confirmado que ele estava com leptospirose – e aguarda os resultados em casa. Inovete afirma que a confirmação dos exames devem ficar prontos ainda nesta semana. Ele esteve em Bonito entre os dias 25 de dezembro e 2 de janeiro, de acordo com a SES.

Em Mato Grosso do Sul, o último caso de febre amarela registrado ocorreu em Bonito – cidade na região sudoeste, a 300 km da Capital -. O caso aconteceu em 2015 e quem contraiu a doença foi um paranaense de 32 anos, que viajou até a cidade turística e não era vacinado, conforme a Secretaria.

Anterior ao caso do paranaense, o último registro da doença no Estado foi em Corumbá – 444 km de Campo Grande – na zona rural, em 2010. A doença foi contraída por um homem de 39 anos que também não era vacinado, conforme explicou a Secretaria. Os dois casos resultaram em mortes, segundo declarou a assessoria de imprensa da SES.

Jornal Midiamax