Variedades / Saúde

Após decidir por greve, médicos ainda não definiram data da paralisação

Médicos irão definir um dia para iniciar a greve

Raiane Carneiro Publicado em 20/06/2017, às 21h12

None

Médicos irão definir um dia para iniciar a greve

Após a rejeição da proposta apresentada pela prefeitura de Campo Grande, os médicos da rede municipal devem estabelecer um dia para iniciar a greve. A partir do momento que o anúncio for feito, a categoria terá 72 horas para iniciar a paralização.

A informação foi dada durante a coletiva de imprensa realizada pelo Sinmed-MS (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul) nesta terça-feira (20). A categoria rejeitou a proposta da prefeitura em reunião da última segunda-feira (19).

Segundo o presidente do Sinmed, Flávio Freitas Barbosa, a prefeitura apresentou uma proposta que não correspondeu ás expectativas da categoria. No documento do município, foi oferecido 6% de reajuste nos plantões e 30% em uma das gratificações que é a de incentivo PSF no ambulatório, já fixada no valor de R$ 868,73. O problema, segundo o presidente do sindicato, é que apenas 12% dos médicos recebem essa gratificação.

Foi esclarecido ainda na coletiva que o aumento proposto estaria atrelado a diminuição de profissionais nos plantões. A proposta formulada pela prefeitura estabelecia que a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) ficaria responsável por determinar o número de profissionais que iriam atuar em cada plantão. Essa adequação seria necessária devido a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Segundo o presidente, pode entrar em greve de 70% a 100% dos médicos nos ambulatórios. No pronto socorro não terá mudanças. Com a greve iniciada, os atendimentos ficarão da seguinte maneira nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento):Após decidir por greve, médicos ainda não definiram data da paralisação

Classificação azul e verde: São as classificações de menor risco. As pessoas que forem classificadas nestas faixas não serão atendidas.

Classificação amarelo e vermelho: São as classificações de emergência. Essas pessoas serão atendidas normalmente.

A proposta do Sinmed era o fim das gratificações determinadas por decretos, restando apenas os determinados por lei. Além disso, o pedido era de reajuste de 27,5% que corresponde a 22,94% de perdas inflacionárias e 4,56% de ganho real.

Com isso, salário base para plantonistas de 12 horas seria de 4.137. Já para os plantonistas de carga horária de 20 hora receberiam R$ 5.000 enquanto os de carga horária de 40 horas receberiam um valor de R$10.000. Outro pedido era que os médicos das UBSFs (Unidade Básica de Saúde da Familia) não percam a gratificação produtividade SUS PSF de R$2.860. 

Jornal Midiamax