Variedades / Saúde

Após infarto, mulher é mantida com respirador manual há mais 10 horas

Funcionários teriam dito para família pedir aparelho "ao Bernal"

Daiane Libero Publicado em 28/02/2016, às 13h00

None
300x225-14d0b6aad1e575c82bfbb877e6e4f2a7.jpg

Funcionários teriam dito para família pedir aparelho "ao Bernal"

Na madrugada deste domingo (28), a auxiliar de perecíveis Deise Santana Perez, 35, deu entrada para sua mãe Regina Santana Perez, 61, no CRS (Centro Regional de Saúde) no bairro Cophavilla II, em Campo Grande, após um infarto seguido de parada cardíaca. Segundo ela, a mãe foi atendida com bombeamento de oxigênio manual desde então, e não há previsão de transferência para um hospital com respirador adequado. O atendimento, conforme explica, permanece parado. 

"A assistente social alega que no hospital que tem respirador não tem vaga. Estamos cansados de esperar, pois eles foi quem disseram que o caso dela é muito grave", afirma. Com isso, ela se encaminhou à Defensoria Pública para tentar conseguir a vaga. "Mandaram a gente pedir para o Bernal", disse. Segundo a auxiliar, o bombeamento manual está sendo feito desde as 0h. Os familiares permanecem em frente ao CRS aguardando por notícias. 

Segundo a assessoria da Prefeitura, o caso de Regina está sendo acompanhado e como os hospirais estão superlotados, o Samu está tranferindo a paciente para o UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do bairro Universitário, onde a estrutura é de um hospital. "A paciente irá aguardar a vaga hospitalar lá. Se não surgir a vaga agora pela manhã, a administração comprará uma na rede particular, se houver", informou a assessoria à reportagem.  

Jornal Midiamax