Variedades / Saúde

25,2% dos campo-grandenses são hipertensos, diz pesquisa do Ministério da Saúde

Doença responde por metade dos casos de infarto

Midiamax Publicado em 29/06/2016, às 20h48

None
hipertenso_ab.jpg

Doença responde por metade dos casos de infarto

Um em cada quatro campo-grandenses sofrem de hipertensão. A pesquisa Vigitel 2015, divulgada nesta quarta-feira (29) pelo Ministério da Saúde mostra que 25,2% dos entrevistados da Capital acima de 18 anos convivem com a doença, diretamente ligada ao consumo exagerado de sódio.

Segundo o Ministério da Saúde, o brasileiro consome uma média de 12 gramas de sódio todos os dias. O valor é quase o dobro do recomendado pela Organização Mundial da Saúde, de menos de 5 gramas por dia.

De acordo com a pesquisa, grande parte dos brasileiros não acredita que consome muito sal. Apenas 14,9% da população consideram seu consumo de sal alto ou muito alto, entretanto mais de 70% consomem sódio em excesso.

A hipertensão responde por 2/3 dos casos de AVC (Acidentes Vascular Cerebral ) e por metade dos casos de infarto registrados no Brasil. A obesidade aumenta em duas vezes as chances de hipertensão.

A Vigitel é uma pesquisa feita nas capitais brasileiras por telefone; em 2015, 54 mil pessoas maiores de 18 anos foram entrevistadas. Entre as cidades pesquisadas, o Rio de Janeiro apresenta o maior número de hipertensos, com 30,6% da população, e Palmas (TO) tem o menor índice, com 15,7%.

Redução de sódio

Reprodução

Desde 2011, foram retiradas 14.893 toneladas de sódio dos produtos alimentícios. A meta é que as indústrias promovam a retirada voluntária de 28.562 toneladas de sal das prateleiras até 2020.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse que esse é um resultado positivo e destacou o trabalho de desenvolvimento e pesquisa da indústria de alimentos. “O Brasil é referência mundial nesse programa de redução de sódio na alimentação. Daí a importância da pesquisa, desenvolvimento e investimento da indústria nesses insumos que vão substituir o sal e que produzem os resultados positivos”, disse.

25,2% dos campo-grandenses são hipertensos, diz pesquisa do Ministério da SaúdeA primeira etapa envolveu macarrão instantâneo, pão de forma e bisnaguinha. A segunda, bolos, snacks (batata-palha e salgadinhos de milho), maioneses e biscoitos. O acordo prevê mais uma etapa envolvendo produtos embutidos. O resultado deverá ser divulgado no próximo ano.

“A redução do sódio nestes alimentos, tão consumidos pela população, é fundamental. O excesso de sódio é muito prejudicial à saúde em longo prazo. Precisamos tomar todas as iniciativas possíveis para promover essa redução”, observa o ministro da Saúde. Ricardo Barros ainda complementou afirmando que, aliado a outras ações, o acordo já promove impactos na saúde do brasileiro. “Observamos redução de 33% nos últimos seis anos nas internações por hipertensão. Não temos dúvidas que já é resultado das nossas ações de promoção à saúde, hábitos saudáveis, ampliação da assistência e a redução de sal no alimentos processados”, comemorou Ricardo Barros.

Jornal Midiamax