Variedades / Saúde

Confirmado: mordido por cão em Corumbá, paciente é o 1º caso de raiva em 20 anos

Homem chegou à Capital na última sexta-feira

Carol Alencar Publicado em 19/04/2015, às 20h35

None
hu.jpg

Homem chegou à Capital na última sexta-feira

Em nota, a assessoria do Hospital Universitário confirmou o caso de raiva humana que chegou ao local. Um homem de 38 anos, com caso confirmado de raiva humana, foi transferido na sexta-feira, 17, para o Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian (Humap). O paciente foi mordido por um cachorro na cidade de Corumbá e está em tratamento e em regime de isolamento.

Segundo relatório médico, o paciente foi mordido pelo cão infectado e encaminhado para a Unidade de Saúde na cidade de Corumbá, com queixas de febre, dores musculares, irritabilidade, dificuldade de alimentar-se e espasmos musculares.

No primeiro atendimento, recebeu hidratação intravenosa, vacina antitetânica e antirrábica. Com a piora de saúde do paciente, foi decidido pela transferência para o Hospital Universitário, que é referência em doenças infecciosas.

O estado de saúde é grave e o homem está em coma induzido, respirando com a ajuda de aparelhos.

Segundo o infectologista Maurício Pompílio, o procedimento de isolamento do paciente é necessário por conta do caso ser uma infecção por vírus. “Estamos mantendo o protocolo diante de um caso como este, mantendo-o sob sedação profunda e monitorando as possíveis complicações decorrentes de casos como este, como cardíacas e renais”, ressalta.

Casos de raiva humana não eram registrados em Mato Grosso do Sul há mais de 20 anos. A doença é de difícil tratamento e há pelo menos um caso de sobrevivência de raiva humana registrada em 2008, em Pernambuco. Por isso, os órgãos de saúde locais tentam, no Ministério da Saúde, acesso aos medicamentos utilizados no caso citado.

Raiva Humana

Ainda de acordo com o especialista, a transmissão da raiva humana é feita por acidentes que envolvam mordida de animais selvagens ou domésticos, como o cachorro ou gato. Ele ressalta ainda que as chances de sobrevida em casos como de raiva são muito pequenas.

“O animal só desenvolve a raiva humana, a partir da mordida de um animal com outro; no caso deste paciente, a transmissão se deu por conta da mordida de um cão”, avalia o médico.

Jornal Midiamax