Variedades

Voluntários de MS colaboram para salvar macacos vítimas de Febre Amarela em SP

Homeopatia está sendo utilizada no projeto

Daiane Libero Publicado em 24/01/2018, às 19h13

None

Homeopatia está sendo utilizada no projeto

Para evitar que mais primatas morram de Febre Amarela, doença infecciosa e letal ressurgiu no final de 2017 e está assustando o País, o grupo Um Sonho de Bugio trabalha na Serra da Cantareira, em São Paulo, para evitar que mais animais sejam vitimados pela doença transmitida pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes. 

Para colaborar, voluntários de Mato Grosso do Sul estão participando da iniciativa, tal qual a empresa Sigo Homeopatia Veterinária, empresa sul-mato-grossense doou produtos para que, inseridos na rotina dos animais silvestres, fortaleça sua saúde e previna maior infestação da doença

De acordo com o grupo, cerca de dois mil animais já morreram e os bugios praticamente desapareceram da área. Segundo informações da Sigo, a homeopatia veterinária está sendo aplicada nas nascentes, onde os animais bebem água. Não há qualquer risco de alteração no equibílibrio da água e solo pela característica de ultra diluição da homeopatia e assim, mais animais serão beneficiados.

Voluntários de MS colaboram para salvar macacos vítimas de Febre Amarela em SP

De acordo a médica Adriana Homem, moradora da Serra da Cantareira, que iniciou o projeto Sonho de Bugio, desde que a homeopatia passou a ser aplicada nas nascentes os animais apresentam mais tranquilidade e os bugios, que até então haviam desaparecido, começaram a ressurgir em seu habitat.

“Não sabemos se foi coincidência, mas acreditamos na homeopatia. Os bugios estão voltando e os animais estão reagindo melhor. Vale lembrar que não foram só macacos que morreram de febre-amarela, muitas aves e até esquilos foram vítimas da doença”, revela Adriana.

O projeto criado em novembro de 2017 conta com cerca de 100 pessoas. O objetivo é salvar a fauna local, combater a proliferação das larvas dos mosquitos e esclarecer que o transmissor da doença não é o macaco.

Em 2015, a empresa de Mato Grosso do Sul colaborou para descontaminação do solo e logo, para a recuperação de animais vítimas da tragédia de Mariana (MG) e em outubro de 2017, colaborou na recuperação de animais feridos no incêndio de grandes proporções que atingiu a Chapada dos Veadeiros (GO). (Com informações da assessoria)

Jornal Midiamax