Variedades

‘Casinhas de Boneca’ voltam a ser febre e não faltam vendedores em Campo Grande

Preços variam de R$ 900 a R$ 2.500

Guilherme Cavalcante Publicado em 04/08/2016, às 09h15

None
10882256_411996422258992_6584969333373168673_n.jpg

Preços variam de R$ 900 a R$ 2.500

Brincar de casinha é uma das atividades mais comuns entre crianças, sobretudo entre as meninas. Antigamente, algumas dispunham até de uma casa de verdade, que além de comportar a criança, servia como um verdadeiro lar de bonecas. Só que realizar o 'sonho da casa própria infantil' era muito salgado para a maioria dos bolsos. Casas de bonecas, até pouco tempo atrás, eram um luxo de poucas meninas de pais abastados.

Pelo visto, as coisas estão mudando. Basta uma rápida busca nos sites de vendas como o OLX para perceber que existe um mercado para casas de bonecas. Com preços que variam de R$ 900 a até mais de R$ 2.500, presentear uma criança com uma casinha tornou-se possível. O curioso é que por trás das pequenas residências, sempre há pais criativos que, atendendo o apelo das filhas, acaba desenvolvendo o projeto e tomando gosto por ele.

É o caso do contador Givanildo Gomes, de 36 anos, o pai da Nicolly, de 5. Há cerca de dois anos, ele desenvolveu a primeira casinha e desde então não parou mais. "Não é minha profissão principal, é mais um hobby. Eu fiz para a minha filha porque as casinhas de plástico eram muito caras. E aí as pessoas começaram a perguntar onde eu comprei. Quando disse que eu que fiz, as encomendas começaram a surgir. É mais forte próximo ao Dia das Crianças", revela.

Desde que fez a primeira casinha para a filha, o contador estima que já montou outras 12. "Não sou profissional nisso, não mexia com madeira. Na internet e no Youtube, fui coletando informações e dicas de como fazer. E assim entrei nesse ramo", explica.

As casinhas de Givanildo ficam pronta em cerca de sete dias, mas ele pede 25 para a encomenda. "É que trabalho com uma margem de tempo. Eu construo mais aos fins de semana, ou à noite. Assim consigo dar 100% de certeza de que a casinha será entregue", explica. "estou estudando melhor esse mercado, porque é rentável e muito bom de fazer. Vou desenvolver projetos novos, com MDF. Vamos ver como vai ser", conclui.

Negócio de família

Já Maurício Andrade, de 38 anos, largou de vez o trabalho como caminhoneiro para dedicar-se às casinhas. "Eu trabalhava com caminhão e nesse meio tempo fiz a primeira casinha para minha filha. Daí tive essa ideia de produzir mais para vender, já que o caminhão não deu certo", relata.

Assim, Maurício produzia as casinhas e a esposa, Jane Silvia, de 41, pintava. "A gente usa material de alta qualidade, tintura automotiva. Eu faço e ela pinta. Começamos a expor em frente de casa, aqui na Duque de Caxias. Saem de duas a três por mês. Vivemos disso", aponta o dono da Shekinnah Casinhas.

Maurício e Jane também trabalham com outros artigos em madeira. A caixa de areia, por exemplo, tem até tampa para evitar que gatos façam sujeira. Eles também trabalham com o mobiliário de cada cazinha, que pode até ser vendido separadamente e parcelado no cartão.

Serviço: As casinhas de Givanildo podem ser vista neste link e orçadas pelo telefone (67) 99175-8210. Já as da Shekkinah Casinhas são pelo telefone (67) 99100-8527.

Jornal Midiamax