[BASTIDORES] Redação

Da Redação Publicado em 25/06/2021, às 06h30

None

Redação

Saiu por R$ 8 mil, ou R$ 160 por cabeça, a contratação pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) de curso EAD gravado de Redação Oficial, ministrado pelo instrutor Marcelo Whately Paiva. Transmitido pelo Instituto Educere entre setembro e outubro (podendo haver alterações), o curso terá limite de 50 alunos. O extrato foi publicado ontem no Diário do TCE-MS.

Novo round

Começa às 9h de 29 de junho a nova investida do vereador campo-grandense Dr. Sandro Benites (Patriota) para tentar convencer a Justiça Eleitoral a não decretar a perda de seu mandato. Os embargos de declaração em recurso eleitoral foram pautados para aquela data.

Na conta

Benites é um dos nomes do Patriota envolvido na polêmica do uso de verbas para fomentar candidaturas femininas que foram parar nas campanhas de candidatos homens nas Eleições 2020. Integrantes da chapa do partido afirmam que houve um “acordo” para os candidatos se apoiarem, inclusive financeiramente, com aval da cúpula nacional.

Onde pega

O problema é que, perante a Lei Eleitoral, verbas usadas para apoiar candidaturas femininas só podem ser usadas pelas próprias. Ou, no caso de doações –jamais em recursos, mas sim em materiais–, deve ser apontado alguma vantagem para a candidata que fez a colaboração. Graças a isso, Benites já teve a perda do mandato decretada em primeira instância.

#TBT

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) relembrou a juventude durante a redemocratização na sua fala inicial na reunião de quinta-feira (24) da CPI da Pandemia. Em resposta a Luiz Carlos Heinze (PP-RS), o epidemiologista Pedro Hallal, da UFPel (Universidade Federal de Pelotas) defendeu o direito à livre manifestação nas universidades.

Ataques

Simone relembrou que era estudante universitária quando participou das manifestações por eleições diretas para presidente, em 1984. "Os pilares mais sagrados da democracia estão sendo golpeados. Muitos não veem ou não querem enxergar. Não vejo nenhum problema se tem mais gente de esquerda nas universidade, essa é a beleza da democracia", afirmou.

Cult

A emedebista ainda demonstrou que é uma leitora voraz ao citar duas frases famosas. A primeira, falsamente atribuída ao pensador francês Voltaire: "Posso não concordar com suas palavras, mas defenderei até a morte o direito de dizê-las". Simone fez questão de esclarecer que a citação não é do escritor.

Ser ou ser não ser...

A segunda frase vem da peça Hamlet, de William Shakespeare. "Há mais coisas entre o céu e a terra do que pode imaginar nossa vã filosofia". Simone usou a frase para dizer que "há muito mais coisas entre o governo federal e a Covaxin do que se imagina com esses remédios ineficazes", em referência ao escândalo do processo de compra da vacina indiana.

Clô

Por fim, a senadora ainda sugeriu dar outro nome à cloroquina, medicamento que já foi apontado como ineficaz contra a Covid. "Não devemos nem falar para não fazer propaganda. Podíamos chamar só de Clô ou a Clô", disse.

Cuidado

Em seguida, Soraya Thronicke (PSL-MS) recomendou aos colegas que evitem citar esses medicamentos ineficazes. "Sejamos sérios e absolutamente responsáveis para a mensagem que mandamos para as pessoas. Vamos defender sim a liberdade dos médicos, então queria deixar claro e tomar esse cuidado, de cuidar das nossas palavras", afirmou.

Alô, deputados

Soraya defendeu que os Legislativos estaduais e municipais investiguem os gestores locais assim como faz a CPI da Pandemia. "O governo federal está sendo culpado aqui, isso me preocupa. Alerto aqueles parlamentares estaduais, não escutei nada de nenhuma CPI sendo aberta em Assembleia Legislativa", disparou.

Jornal Midiamax